guia do novo coronavirus
Imprimir Republicar

Pesquisa na quarentena

“Assumimos a educação de nosso filho como um compromisso tão importante quanto o nosso trabalho”

Vanessa Olzon Zambelli e Julio Cesar Batista Ferreira, da Universidade Stanford, contam como conjugam a rotina de pesquisa com a dinâmica escolar da criança de 7 anos

Pesquisadores com o filho em espaço de trabalho montado em casa

Arquivo pessoal

Nas minhas pesquisas, tento entender como uma enzima que vive dentro das nossas células regula os efeitos produzidos pela morfina. Algumas evidências indicam que parte da população asiática apresenta tendência a desenvolver adição à morfina, o que pode estar relacionado com uma mutação presente nesses indivíduos. No laboratório em que pesquiso, em Stanford, criamos roedores que apresentam a mesma alteração genética presente nessa população oriental para entender se existe causalidade entre essa variante genética e adição à droga. Nos Estados Unidos, o uso da morfina está disseminado. Estou na fase da coleta de dados. Recentemente, soube que a morfina só será disponibilizada novamente pelo fabricante em julho, ou seja, as pesquisas vão atrasar.

Antes da quarentena, realizei experimentos preliminares que sustentaram a hipótese inicial, evidenciando uma possível relação entre a mutação presente em parte da população asiática e o vício por opioides. Isso me permitiu escrever um projeto maior durante a quarentena e solicitar financiamento adicional à universidade, para dar prosseguimento ao trabalho interrompido por causa da pandemia. Também aproveito a quarentena para acelerar a escrita de manuscritos e relatórios de pesquisa. Além disso, sigo orientando cinco alunos no Instituto Butantan, a distância.

Estabelecemos turnos para cuidar do Pedro, nosso filho, que tem 7 anos. O meu turno é o da manhã e o do Julio à tarde. Também nos dividimos por disciplinas para acompanhá-lo nas tarefas escolares. Eu fiquei com o inglês e o Julio com a matemática. Às vezes temos reuniões virtuais no mesmo horário e o Pedro fica ao nosso lado, fazendo alguma atividade. Ele adora aparecer na tela durante essas reuniões. Com essa divisão, nossa jornada de trabalho se tornou intermitente. No começo foi frustrante porque reduzimos a produtividade. Mas, depois, assumimos que temos menos tempo para trabalhar e diminuímos as expectativas. Além disso, redefinimos nossas prioridades. Entendemos que não teríamos o mesmo rendimento de antes e passamos a considerar a educação do Pedro nesse novo contexto como um compromisso tão importante quanto o nosso trabalho. Precisamos estar junto com ele explicando as tarefas, principalmente para ajudá-lo na compreensão do inglês, que não é sua língua nativa.

Antes da quarentena, a escola, que é pública, já usava ferramentas tecnológicas para apoiar o processo de ensino-aprendizagem. Toda manhã ele recebe uma lista de tarefas a serem entregues em diferentes datas, que devem ser realizadas em quatro tipos de aplicativos distintos. A professora faz avaliações periódicas sobre as atividades e reúne pequenos grupos de alunos, duas vezes por semana, para atividades didáticas. Semanalmente há ainda uma reunião com todos os alunos da classe, quando são realizadas apenas brincadeiras.

A escola orientou as famílias sobre o patamar mínimo de aprendizagem que as crianças devem ter durante esse período de quarentena.  Mas fomos informados de que todas serão aprovadas. Eventuais deficiências serão resolvidas depois. Todos os alunos que não tinham computador em casa receberam um, com acesso à internet, do governo distrital.  Mesmo assim há famílias que não conseguem participar das atividades.

A universidade seguirá nesse mesmo caminho. Já sabemos que quando voltarmos será preciso organizar um revezamento para a atuação em ambientes de uso comum. Tudo o que é comunitário terá de ser agendado com antecedência. Será uma nova realidade, que vai impactar os experimentos de bancada – onde normalmente temos de lidar com acontecimentos imprevisíveis. Será um novo aprendizado.

Vanessa e eu pesquisamos em laboratórios diferentes. Parte do meu trabalho utiliza animais geneticamente modificados. Às vezes, pode levar até um ano para produzir e selecionar animais com as modificações genéticas desejadas. Quando as medidas de distanciamento social entraram em vigor, tivemos de decidir o que fazer com eles. A universidade emitiu uma ordem determinando que cada laboratório poderia manter algumas poucas caixas de animais no biotério. Por isso, tivemos de reduzir a quantidade de animais a um patamar mínimo, que permitisse gerar o nascimento de filhotes e manter a colônia. Essa redução certamente afetará nossa pesquisa. Quando retomarmos os experimentos, precisaremos expandir a colônia novamente, o que levará quatro meses.

A universidade se preparou para enfrentar situações extremas. Até a metade de maio, os responsáveis podiam entrar no laboratório para alimentar e cuidar dos animais. Também fomos orientados a congelar embriões, pois, caso o fechamento da universidade perdurasse, as atividades de biotério seriam paralisadas por completo.

Quando desenhamos um projeto, temos uma hipótese que precisa ser validada na bancada do laboratório. Todo estudo que estava nessa fase de validação teve de ser interrompido. Já outros que estavam na fase final, de consolidação dos dados e descrição dos resultados, seguiram em andamento a distância.

Já passamos da fase aguda da crise, mas não imagino que vamos voltar à normalidade com rapidez. Levaremos pelo menos seis meses depois da abertura do laboratório até conseguirmos a reposição de reagentes e animais necessários para dar continuidade à pesquisa. Trabalhamos em colaboração com outros laboratórios e departamentos. São relações de dependência. Por isso, acredito que ocorrerão atrasos em cadeia.

Vanessa e eu estamos atuando como visitantes nos Estados Unidos, mas nossos projetos no Brasil seguem em andamento. Nesse período, criamos um fluxo de trabalho remoto com nossos grupos. Além disso, retornamos ao Brasil periodicamente e parte deles nos visita para realizar experimentos em Stanford. Essa interação beneficia os estudantes e agrega valor aos nossos projetos. Quando a crise do coronavírus começou, já tínhamos uma relação de trabalho a distância e um plano de intercâmbio organizado com eles. O laboratório que coordeno no Instituto de Ciências Biomédicas da USP está temporariamente fechado, mas mantenho reuniões semanais com seus integrantes, incluindo alunos de iniciação científica, pós-graduandos e pós-doutorandos. Tentamos trabalhar de modo a aproveitar as qualidades de cada um, mesmo a distância, escrevendo projetos e artigos conjuntamente. Além disso, esses encontros virtuais permitem aumentar a interação entre todos e reduzir a solidão que as pessoas têm sentido. Quanto menos ociosos passamos o tempo, melhor para todos.

Em Stanford, o projeto que coordeno tem como objetivo desenvolver moléculas capazes de combater a disfunção mitocondrial observada em doenças cardiovasculares. A mitocôndria é conhecida como o compartimento celular responsável pela manutenção do equilíbrio bioenergético. Nesse projeto, identificamos duas moléculas que melhoram a função mitocondrial e estão atualmente em testes pré-clínicos para o tratamento da insuficiência cardíaca. É um trabalho que envolve muito estudo de bancada e tudo isso ficou paralisado até o final de maio.

Uma semana antes de recebermos a notícia de que a universidade seria fechada, eu estava cuidando de algumas células-tronco que produzimos no laboratório a partir da pele de indivíduos que apresentam um tipo específico de alteração genética. Nosso próximo passo seria transformá-las em células cardíacas para testar nossas moléculas. Manter essas células viáveis em ambiente artificial de laboratório requer um trabalho muito delicado e custoso. Quando soube que o laboratório seria fechado, pensei que não poderia perdê-las, em nenhuma hipótese. Resolvi congelá-las, em um procedimento muito difícil de realizar. Quando voltar à rotina, será necessário descongelá-las e testar o quanto foram afetadas pelo procedimento. Não vejo a hora de voltar ao laboratório para saber se elas irão sobreviver e, principalmente, se poderei utilizá-las para testar nossas moléculas.

O Pedro foi descobrindo sozinho como utilizar os aplicativos da escola, fazer as tarefas solicitadas e enviar à professora. Entendemos o momento atual como uma oportunidade não apenas de ensiná-lo, mas também de crescer com ele. Observamos como se comporta perante os desafios da escola e conseguimos entender melhor como lida com o ambiente externo. É uma oportunidade única de participar da educação dele.

Nos Estados Unidos, o Vale do Silício foi uma das regiões que primeiro começou a quarentena. Aqui a doença não teve um impacto tão forte como aconteceu em Nova York, por exemplo. Menlo Park, onde vivemos, é uma cidade com apenas 50 mil habitantes. Mesmo durante a fase crítica da pandemia, podíamos sair de casa para fazer caminhadas ou andar de bicicleta, como forma de aliviar o estresse. Tentamos criar um padrão de normalidade, logo nos primeiros dias de distanciamento social. Procuramos não ficar acessando informações sobre a pandemia em diferentes mídias, reservando esse tempo para atividades mais produtivas. As cidades da região têm feito reuniões on-line para discutir de forma transparente o que está acontecendo e as perspectivas de abertura, com explicações sobre as fases do processo. Em meados de maio, as restrições começaram a ser reduzidas.

Republicar