guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Cartas | 284

Cartas 284

Ciência sob ataque
Fica muito claro que, cada dia mais, a transmissão do conhecimento científico cresce em importância e apenas o trabalho de divulgação deixa de ser suficiente (“Resistência à ciência”, edição 284). É necessário um esforço mundial no sentido de inserir disciplinas que disseminem os métodos científicos nas escolas, já a partir dos últimos anos do ensino fundamental.
Roger Bonsaver

**
A disparidade da percepção do cidadão chinês em relação ao brasileiro reflete o resultado das ações de longo prazo que poderiam ter sido aplicadas no Brasil também.
Thaís Schmidt

***
Pesquisa FAPESP 20 anos
De maneira sucinta e inteligente, este periódico tem trabalhado no esforço de fazer a ciência algo a não se temer, mas, sim, a se admirar e desejar por parte da coletividade paulista e de toda a comunidade acadêmica.
Rodrigo Agostinho, deputado federal

***
Divulgação científica
Urgente pesquisar como melhorar a comunicação científica para o grande público (“Imprensa em transição”, edição 284).
Nicole Marie Hélène Medaets

***
Nobel de Química
A tecnologia que você usa não caiu do céu por milagre, é fruto do trabalho de cientistas que dedicam anos para a pesquisa (“Criadores de um mundo recarregável”, on-line). Somente reconhecendo a importância da educação e da ciência poderemos crescer!
Diego Hepp

***
Vídeos
Não são só animais simpáticos que merecem nossa proteção (“Como proteger os tubarões”).
Letícia Costa
**
O Brasil passa por uma nefasta crise com a ciência, pesquisas e cientistas que resistem apesar de todo o descaso. Todo o respeito e admiração por pessoas que ainda conseguem defender não só os animais, mas todo um ecossistema, que muitos ainda não entendem a importância para o mundo e o quanto isso nos inclui.
Ruth Previati
**
Vacina é a única prevenção eficiente contra as doenças transmissíveis e as campanhas de vacinação são a melhor maneira de proteger toda a população! (“Perfil: Guido Carlos Levi”).
Tomaz Puga Leivas
**
Estamos entrando em tempos difíceis para a ciência no Brasil e o Inpe é apenas um dos afetados (“Programas monitoram o desmatamento na Amazônia”).
Gunst

Sua opinião é bem-vinda. As mensagens poderão ser resumidas por motivo de espaço e clareza. cartas@fapesp.br

Republicar