guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Esporte

Coração de atleta

EDUARDO CESARA prática esportiva traz muitos benefícios à saúde, no entanto o treinamento intenso pode expor o coração de alguns atletas a uma sobrecarga capaz de provocar alterações funcionais e estruturais no órgão. Foi o que aconteceu com os 162 corredores de longa distância avaliados pelos pesquisadores Antônio Carlos Pereira Barretto, Luciene Ferreira Azevedo, Patrícia Chakur Brum, Dudley Rosemblatt, Patrícia de Sá Perlingeiro, Carlos Eduardo Negrão e Luciana Diniz Nagem Janot de Matos, que trabalham no Instituto do Coração, do Hospital das Clínicas, e na Escola de Educação Física e Esporte, da Universidade de São Paulo. O estudo Características cardíacas e metabólicas de corredores de longa distância do ambulatório de cardiologia do esporte e exercício, de um hospital terciário avaliou o desempenho cardíaco de atletas do sexo masculino, com idade entre 14 e 67 anos, através de exames eletrocardiográficos e da observação e de sua resposta cardiopulmonar. Eles descobriram que 9% dos corredores tinham doenças cardiovasculares e 17% apresentaram alterações metabólicas. Mais da metade deles teve uma diminuição da freqüência cardíaca e 33% desenvolveram uma hipertrofia no ventrículo esquerdo que provavelmente resultou de uma adaptação do coração ao aumento do esforço físico. O estudo verificou essas alterações, mas não conseguiu determinar quais seriam as conseqüências de longo prazo decorrentes dessas mudanças

Arquivos Brasileiros de Cardiologia – vol. 88 – nº 1 – São Paulo – jan. 2007

Republicar