guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Tecnociência

Duas estrelas abalam a física

Estudos feitos a partir do observatório de raios X Chandra e do telescópio espacial Hubble, ambos da Nasa, indicam falhas no Modelo Padrão, pelo qual a física moderna procura explicar como as partículas do átomo interagem entre si. As duas estrelas observadas pelos astrônomos – RX J1856.5-3754 e 3C58 – sugerem a existência de algo revolucionário para a física: uma forma inteiramente nova de matéria. Os pesquisadores da Nasa acham que as duas estrelas podem ser compostas de partículas menores do que átomos, isto é, um tipo de matéria ainda mais densa do que a que compõe a Terra.

A aposta é que sejam quarks puros, diferentes dos quarks já conhecidos como partículas do átomo. Jeremy Drake, do Centro Harvard-Smithsoniano para Astrofísica de Cambrigde, diz que as estrelas parecem “matéria estranha de quark”. “Quarks nunca foram vistos fora de um núcleo em laboratórios da Terra”, afirma Drake. Ou seja, esses quarks estranhos existiam antes ape- nas como teoria. Os astrônomos chegaram a essa conclusão quando precisaram descartar a possibilidade de as duas estrelas serem de nêutrons.

Quando eles observaram a RX J1856, na constelação de Corona Australis, descobriram que ela tem um diâmetro de 16 quilômetros ou menos, um tamanho muito pequeno para uma estrela de nêutrons. A 3C58, da constelação de Cassiopéia, deve ter 1 milhão de graus Celsius, um corpo muito frio para uma estrela de nêutrons. Restam duas possibilidades. A primeira, é as observações terem se concentrado numa região anormalmente quente da RX J1856, o que poderia ter deturpado as leituras do Chandra, algo improvável. A outra possibilidade é a mais instigante: o núcleo das estrelas pode ser feito de um novo tipo de matéria.

Republicar