guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Insetos conservados

Há 100 milhões de anos

Raridades: insetos como este sugavam o néctar das plantas sem flores

Universidade de BarcelonaRaridades: insetos como este sugavam o néctar das plantas sem floresUniversidade de Barcelona

Insetos conservados em âmbar descobertos na caverna El Soplao, norte da Espanha, mostraram como ocorria a fertilização das plantas no período Cretáceo, cerca de 105 milhões de anos atrás. Nessa época, os insetos polinizadores hoje mais comuns, como abelhas e borboletas, ainda não existiam e a maioria das plantas era as gimnospermas, sem flores (Current Biology, 20 de julho). As amostras de âmbar encontradas por pesquisadores da Espanha e dos Estados Unidos continham, em perfeito estado de conservação, duas espécies de insetos, ambas já extintas. Os dois insetos tinham um longo probóscide (espécie de tromba), que servia para absorver o néctar das estruturas reprodutivas das plantas em pleno voo, como fazem hoje os beija-flores. As duas espécies de insetos pertencem à família Zhangsolvidae, cujos representantes eram antes conhecidos somente por meio de fósseis da China e do Brasil. Uma das espécies de insetos tinha milhares de grãos de pólen de uma gimnosperma já extinta e indica que outros insetos de longos probóscides poderiam ter sido polinizadores. O trabalho é resultado da colaboração entre especialistas do Instituto Geológico e Mineiro da Espanha (IGME) e das universidades de Barcelona e Complutense de Madri, Espanha, Harvard e Cornell e do Museu Americano de História Natural de Nova York, Estados Unidos. Nessa época, as gimnospermas com os Pinus dominavam a paisagem terrestre, e o principal agente de polinização, pensava-se até agora, era o vento.

Republicar