guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Sociedade

Incertezas e desemprego

O estudo “Desemprego: o custo da desinformação”, de José Márcio Camargo, da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio), e Maurício Cortez Reis, do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), mostra que a falta de informações de determinados grupos de trabalhadores, como os jovens e semiqualificados, contribui para o aumento do desemprego. “A quantidade e a qualidade dos dados disponíveis para os empregadores são muito limitadas”, justificam os pesquisadores. Como o grupo dos semiqualificados é bastante heterogêneo, por exemplo, fica difícil saber as características produtivas reais desses trabalhadores apenas quando se tem a escolaridade como base. A maior proporção de jovens entre os desempregados acentua ainda mais o problema, na medida em que informações sobre as características produtivas do trabalhador costumam ser reveladas com a experiência no mercado de trabalho. “O desemprego neste modelo é gerado pela incerteza quanto à qualidade dos trabalhadores, e não pelo elevado custo de empregar os mesmos”, sugerem os autores. Entre as propostas apresentadas pelo trabalho estão a simplificação da legislação trabalhista para permitir desenhos alternativos de contratos de trabalho e a melhor análise da qualidade dos alunos por meio de novos exames nacionais.

Revista Brasileira de Economia vol. 59 – nº 3 – Rio de Janeiro – jul./set. 2005

Link para o artigo

Republicar