guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Tecnociência

Jovem pesquisador nos EUA

Os National Institutes of Health (NIH) dos Estados Unidos decidiram, em novembro passado, acabar com uma categoria especial de auxílios para jovens pesquisadores, os chamados R29 ou concessões FIRST- First Independent Research Support and Transition, informou a edição da Nature de 20 de novembro passado. Para se ter uma idéia de seu peso no sistema, registre-se que em 1997, por exemplo, um terço dos 1.466 novos pesquisadores que entraram nos NIH o fez com esse tipo de auxílio.

Já em 1998, todos os novos candidatos a auxílios terão que disputar o tipo padrão (R01), cujo valor anual é praticamente o dobro do oferecido nos auxílios especiais – e obviamente, obtê-los envolve uma competição muito mais acirrada. A decisão decorre da constatação dos dirigentes dos NIH de que se estava criando, com os R29, uma espécie de pesquisador de segunda classe. E tanto era assim, em sua avaliação, que os jovens pesquisadores que, a partir de 1987, receberam esse tipo de auxílio vinham obtendo bem menos sucesso na disputa por um segundo auxílio regular do que seus jovens colegas que entraram nos NIH diretamente com um R01.

A razão dessa má performance parece muito clara aos dirigentes do NIH: não se pode realizar um programa razoável de pesquisa com US$ 70 mil por ano, alegam eles. Os R29, de fato, concedem ao pesquisador US$ 350 mil por um prazo de cinco anos, o que equivale a US$ 70 mil por ano, para que sobrevivam e desenvolvam seu programa de pesquisa. Enquanto isso os R01, são, em média, de US$ 138 mil por ano.

Em 1987, quando foi instituída para ajudar jovens pesquisadores a fazerem a transição do pós-doutorado para a situação de pesquisador independente, a categoria especial de auxílio parecia uma boa idéia. Mas 10 anos depois, concluiu-se que não era bem assim. De qualquer sorte, as R29 já existentes serão financiadas até o fim. E como a direção dos NIH se comprometeu com a manutenção do número total de novos pesquisadores no sistema, já está previsto um acréscimo de até US$ 300 milhões para o financiamento total dos auxílios quando expirarem os últimos R29, dentro de pouco mais de quatro anos.

Republicar