guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Tecnociência

Mais calor e mais frio nas favelas

Quem mora em favelas – cerca de 1 milhão de pessoas só na cidade de São Paulo – vive desconfortos térmicos freqüentes. A temperatura lá é mais alta no período  do dia e mais baixa durante a noite, principalmente no inverno, concluíram Edelci Nunes da Silva e Helena Ribeiro, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP). Nesse trabalho, publicado na Revista de Saúde Pública de agosto, elas avaliaram microclimas na favela de Paraisópolis, no sudoeste de São Paulo, com 11.823 domicílios. Em seguida compararam com uma rua arborizada próxima. Na favela, as temperaturas foram até 3º Celsius mais altas durante o dia e em média 1º mais baixa à noite. Segundo as pesquisadoras, os contrastes térmicos – maior aquecimento diurno e maior resfriamento noturno – expõem os moradores das favelas a maiores riscos à saúde, facilitando a propagação de doenças. Em Paraisópolis, a densidade é de 520 habitantes por hectare, enquanto em um bairro como o Morumbi é de 30.

Republicar