guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Brasil

Metade das crianças com anemia

Quase metade das crianças brasileiras com idade entre 6 meses e 5 anos tem a forma mais comum de anemia – a anemia ferropriva, causada pela redução da quantidade de hemoglobina no sangue em decorrência da deficiência de ferro -, concluíram Renata Levy-Costa, do Instituto de Saúde da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, e Carlos Augusto Monteiro, da Universidade de São Paulo.

Das 584 crianças examinadas, todas da cidade de São Paulo, 45% estavam com anemia. Esse índice chega a 71% entre meninos e meninas com menos de 1 ano, quando o crescimento é acelerado e a necessidade de ferro, maior. Um dos fatores que contribuíram para esse resultado foi o elevado consumo de leite de vaca, em geral um dos principais ingredientes da dieta infantil após a fase de aleitamento materno. De acordo com esse estudo, publicado na Revista de Saúde Pública, o leite de vaca corresponde em média a pouco mais de um quinto (22%) das calorias ingeridas diariamente por garotos e garotas.

O problema é que o leite de vaca – natural, pasteurizado, longa-vida ou em pó – contém apenas um quarto da taxa de ferro necessária ao organismo infantil. Ainda assim, a maior parte do ferro do leite de vaca não é absorvida pelo organismo humano. "Até o quarto mês, a criança utiliza o ferro que acumulou no fígado durante a gestação", diz Renata. “Depois tem de extrair dos alimentos que consome.” Os elevados índices de anemia infantil não são problema exclusivo de São Paulo. Estudos realizados em Salvador, Recife, Porto Alegre e Criciúma exibiram resultados semelhantes. “Esses dados não significam que as crianças devam tomar menos leite, que é uma fonte importante do cálcio necessário ao desenvolvimento dos ossos”, diz Renata.

Uma alternativa recomendada pela Organização Mundial da Saúde é a ingestão do leite bem antes ou muito depois das refeições principais para não interferir na absorção do ferro de outros alimentos. Há outras medidas, como não substituir as refeições principais pelo leite e, durante o almoço ou jantar, beber sucos de frutas mais ácidas, como a laranja, que facilita a absorção do ferro. Diante da elevada freqüência de anemia, o governo brasileiro publicou em 2003 uma portaria que determina o acréscimo de ferro à farinha de trigo e de milho. Se falta ferro, falta hemoglobina, a molécula que transporta oxigênio pelo corpo. A escassez de oxigênio pode prejudicar o desenvolvimento físico e mental, principalmente na infância, além de reduzir a resistência a doenças infecciosas.

Republicar