guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Múltiplos sensores

Múltiplos sensores para registrar neurônios

Lucas Santos / Universidade Wake ForestRegistro da atividade de quatro neurônios feito com o novo dispositivo multieletrodosLucas Santos / Universidade Wake Forest

O neurocientista brasileiro Lucas Santos, da Universidade Wake Forest, nos Estados Unidos, desenvolveu um microdispositivo que permite registrar, ao mesmo tempo e com menos danos, a atividade de neurônios no córtex e no subcórtex de macacos. É um conjunto de cânulas com eletrodos múltiplos que identificam os disparos elétricos dos neurônios em testes comportamentais. Santos desenvolveu o aparelho quando estava na Universidade Brown 
e o testou em colaboração com pesquisadores da Wake Forest (Journal of Neuroscience Methods, abril de 2012). O dispositivo resulta da evolução de uma tecnologia criada nos anos 1980 para estudos com roedores. “Vários grupos tentaram adaptar, sem sucesso, essa tecnologia para os experimentos com primatas”, diz Santos. Inovações no desenho do dispositivo e nos circuitos permitiram reduzir a espessura das cânulas e aumentar 
o número de eletrodos, deixando o aparelho com qualidade similar à dos usados em roedores. Cada cânula contém de quatro a seis conjuntos de eletrodos muito finos, com sensibilidade para identificar os disparos de um único neurônio, que possibilitam verificar como os de uma região mais superficial, como o córtex, comunicam com os de áreas mais profundas, o subcórtex. “Ainda não se conhece como regiões corticais e subcorticais do cérebro dos macacos interagem durante a execução de uma tarefa”, conta. “Essa inovação será 
útil para estudos sobre Parkinson e o uso de neuropróteses.”

Republicar