guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republish

fitoterapia

Na batida natural

Em laboratório, composto de plantas medicinais pára arritmia que mata infartado do miocárdio

EDUARDO CESARGuaranáEDUARDO CESAR

No final do ano passado, a pesquisadora Vera Pontieri, do Laboratório de Emergências Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), se surpreendeu ao ver que o emprego de um fitoterápico nacional, um composto de quatro plantas medicinais vendido com o nome comercial de Catuama, conseguiu deter um tipo de arritmia que acometia um coração de coelho durante um experimento, prevenindo assim uma iminente parada cardíaca. O espanto foi tamanho que o teste foi repetido várias vezes em situações mais controladas, com uma monitoração detalhada dos batimentos cardíacos dos animais. O resultado foi sempre o mesmo. “Em dois minutos, os corações paravam de fibrilar”, diz o médico Augusto Scalabrini Neto, outro pesquisador do laboratório. “Não se conhece droga que faça isso.”

A fibrilação ventricular é um tipo de arritmia na qual as diversas fibras cardíacas contraem-se desordenadamente, impedindo que o sangue seja bombeado eficazmente pelo coração. Essa arritmia é a responsável por 90% das mortes imediatas após o infarto agudo do miocárdio em humanos. O único tratamento conhecido para corrigi-la, com cerca de 30% de sucesso se adotado até cinco minutos após o infarto, é aplicar no tórax do paciente um choque elétrico com um aparelho conhecido como desfibrilador. Os cientistas paulistas ainda julgam muito prematuro fazer alguma previsão sobre o uso potencial do fitoterápico, hoje vendido na forma de xarope ou cápsula como um tipo de energético sexual, para prevenir esse tipo de arritmias. “Mas vamos continuar as pesquisas com o produto”, garante Irineu Velasco, diretor da Faculdade de Medicina e também envolvido no estudo.

Produzida pelo Laboratório Catarinense, uma indústria nacional sediada em Joinville, a Catuama é um composto natural inventado há mais de 15 anos. Em sua formulação, entram quatro plantas encontradas nas matas nacionais: o guaraná (Paullinia cupana), a muirapuama (Ptychopetalum olacoides), o gengibre (Zingiber officinale) e uma espécie particular de catuaba (Trichilia catigua). Por se tratar de um fitoterápico, com um número indeterminado de substâncias agindo e interagindo em sua formulação, os pesquisadores não almejam encontrar o princípio ativo da mistura de ervas que parece atuar sobre a fibrilação. “Não sabemos o que está agindo na arritmia e a chance de descobrirmos isso é pequena”, comenta Scalabrini.

Estudos recentes feitos por João Batista Calixto, do Departamento de Farmacologia da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), especialista em fitoterápicos, mostram que o produto é seguro, não-tóxico e realmente proporciona alguns benefícios. “A Catuama produz vasodilatação, sendo esse efeito mediado pela liberação de óxido nítrico”, afirma Calixto. “Ela também possui ação analgésica de longa duração e causa relaxamento na região do corpo cavernoso do pênis em animais e em humanos.” Até o momento,foram depositadas quatro patentes do produto, uma delas já aceita no Brasil e nos Estados Unidos. Outras pesquisas de Calixto levantaram ainda indícios de que o preparado natural pode ter efeitos antidepressivos e antioxidantes, além de prevenir a agregação de plaquetas nas artérias.

Republish