guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

RRS Sir David Attenborough

Novos navios de pesquisa polar

Concepção artística do RRS Sir David Attenborough, do Reino Unido (acima), e do norueguês Kronprins Haakon (abaixo)

PETER BUCKTROUT / INSTITUTE OF MARINE RESEARCHConcepção artística do RRS Sir David Attenborough, do Reino Unido (acima), e do norueguês Kronprins Haakon (abaixo)PETER BUCKTROUT / INSTITUTE OF MARINE RESEARCH

Com previsão para operar a partir de 2019, o futuro navio de pesquisa polar do Reino Unido já tem nome. O RRS Sir David Attenborough homenageia o naturalista britânico de 90 anos, conhecido por programas e documentários sobre história natural que apresenta desde os anos 1950 na rede BBC. Com 129 metros de comprimento, o navio custará US$ 290 milhões, poderá receber até 60 cientistas e substituirá duas embarcações de pesquisa em atividade há mais de 20 anos. Também levará um pequeno submarino não tripulado capaz de captar imagens em até 6 mil metros de profundidade, o Boaty McBoatface. Esse nome, na verdade, foi o mais votado numa consulta feita pela internet para batizar o navio, mas acabou preterido pela homenagem a Attenborough – não sem render um protesto engraçado. Uma petição com 2 mil assinaturas pediu a Attenborough que mudasse seu nome para Sir Boaty McBoatface, em nome da “democracia e do humor”. Além do Reino Unido, cinco países preparam a construção de navios polares. O maior deles vai pertencer à Austrália. Com capacidade para abrigar 116 cientistas, deve ficar pronto em 2020 ao custo de US$ 380 milhões. A Noruega é o país mais adiantado: o Kronprins Haakon, que poderá receber até 35 pesquisadores, será lançado em 2017. A China deve lançar o seu novo navio polar em 2019 e a Alemanha, em 2020.

Republicar