Guia Covid-19
Imprimir PDF Republicar

Geologia

O continente escondido na Europa

O maciço montanhoso Gran Sasso, na região central dos Apeninos, na Itália: vestígio da Grande Adria

Wikipedia

As rochas de algumas cadeias de montanhas do Mediterrâneo, como os Apeninos, na Itália, e os Alpes Dináricos, nos Bálcãs, são as únicas partes remanescentes não submersas de um antigo continente que se chocou com o sul da Europa há aproximadamente 120 milhões de anos (Gondwana Research, 3 de setembro). A Grande Adria, como é denominado pelos geólogos esse pedaço de terra com cerca de um quarto da área do Brasil, colidiu com o Velho Mundo, partiu-se em pedaços e atualmente se encontra, em sua maior parte, debaixo da Europa Meridional. Um grupo internacional de geólogos reconstituiu a história desse continente desaparecido a partir de dados paleomagnéticos de 2.300 sítios geológicos espalhados pelo sul da Europa, pelo Norte da África e pelo Oriente Médio. Segundo o estudo, até 240 milhões de anos atrás, a Grande Adria fazia parte do Gondwana, um supercontinente austral que incluía as massas de terra hoje pertencentes à África, América do Sul, Austrália, Antártida, Índia e península da Arábia. Nesse período, ela desprendeu-se do Gondwana e iniciou uma lenta migração, a uma velocidade de 3 ou 4 centímetros por ano, em direção à colisão final no Mediterrâneo. “As partes da Grande Adria que ainda podem ser vistas também incluem as penínsulas da Apúlia e de Gargano e o Vale do Pó, na Itália; a Ístria, na Croácia; o oeste da Grécia; a ilha de Creta; as montanhas Tauride, na Turquia; e o próprio mar Adriático”, afirma o geólogo Douwe van Hinsbergen, da Universidade de Utrecht, na Holanda, principal autor do trabalho.

Republicar