Guia Covid-19
Imprimir PDF Republicar

Papel elétrico

Papel elétrico acumula energia

Fino e flexível, novo material poderá ser usado em baterias e supercapacitores

Universidade de LinköpingFino e flexível, novo material poderá ser usado em baterias e supercapacitoresUniversidade de Linköping

Pesquisadores do Laboratório de Eletrônica Orgânica da Universidade de Linköping, na Suécia, desenvolveram uma folha de papel que armazena tanta energia quanto os supercapacitores disponíveis no mercado, que são dispositivos que acumulam e liberam energia de forma quase instantânea. Também serviria para uso em baterias e células a combustível, equipamentos que utilizam hidrogênio para produzir eletricidade. O material assemelha-se a um pedaço de papel, fino e flexível, com cerca de 15 centímetros de diâmetro e poucos milímetros de espessura. Foi obtido a partir da quebra de fibras de celulose em microfibras com 20 nanômetros de diâmetro. Em laboratório, os pesquisadores as inseriram em uma solução com água e adicionaram um polímero eletricamente carregado para revesti-las. Essas microfibras, revestidas com o polímero, misturaram-se formando um emaranhado de fios, resultando em um condutor de eletricidade chamado eletrólito. Ao contrário das baterias e supercapacitores, o papel elétrico, como foi batizado, é feito à base de materiais simples e baratos, além de dispensar o uso de produtos químicos perigosos ou metais pesados. O material pode ser recarregado centenas de vezes e cada carga leva apenas alguns segundos. O estudo foi publicado na revista Advanced Science, de 2 de dezembro. Futuramente, esse material poderá contribuir para a expansão das energias renováveis ao compor equipamentos que armazenam energia para suprir deficiências nas fontes eólica e solar, em dias sem vento ou com nuvens espessas.

Republicar