Guia Covid-19
Imprimir Republicar

Pesquisa na quarentena

“Podemos mudar a ordem das coisas e talvez isso nos dê a chance de ver o que não enxergávamos antes”

Na pesquisa sobre a resiliência da floresta amazônica, a matemática Marina Hirota tem encontrado na pandemia inspiração para mudar protocolos

Aulas e condução de projetos passaram a acontecer no escritório em casa, desde março de 2020

Arquivo pessoal

Tanta coisa aconteceu no último ano, parece que já se passaram três anos desde o início da pandemia. Em 17 de março do ano passado, a UFSC [Universidade Federal de Santa Catarina] parou, sem previsão de volta. Tínhamos dado uma semana e meia de aulas. Havia uma incerteza muito grande em várias frentes: sobre como lidar com a Covid-19, quando daríamos aula, quando as crianças voltariam à escola, como organizar tudo isso. Durante três meses, Florianópolis chegou a ficar sem transporte público, parecia uma cidade fantasma.

Meu companheiro, Felipe, é fisioterapeuta especializado na área cardiorrespiratória. Ele se inscreveu em um processo seletivo no hospital universitário e foi selecionado para a linha de frente. Por fim não deu certo, o que de certa maneira me deixou mais tranquila. Fiquei 45 dias sem sair de casa, porque não sabia quais eram os riscos. Foi difícil, gosto de fazer atividade física. O Felipe foi o designado para sair às compras, com todos os procedimentos de segurança, depois eu lavava tudo.

Por um lado, não dar aula me ajudou na organização. Mas a universidade poderia voltar a qualquer momento e seria necessário gravar, então não estava totalmente tranquila. Eu não achava justo fazer aulas síncronas, por uma questão de heterogeneidade de acessibilidade. Alguns alunos voltaram para a casa dos pais no campo, onde só existe internet por satélite.

Não sabíamos o que fazer com meu filho, Kai. No início da quarentena ele fez 3 anos e de repente parou de fazer a soneca à tarde, então deixei de ter esse período para trabalhar. Passei os primeiros 10 dias em uma luta, até que percebi que talvez fosse bom estar aqui com ele. Decidi aceitar que não conseguiria produzir tanto.

Tinha sido selecionada pelo Instituto Serrapilheira para dar continuidade a um projeto começado em 2017 e precisava reescrever a proposta. Comecei a trabalhar à noite, um horário pouco produtivo para mim. Eu costumava fazer alongamentos, ter um tempo para mim e ir dormir leve. Passei a me deitar tarde, com a cabeça cheia e a dormir sempre mal. O maior desafio da pandemia, para mim, foi trabalhar à noite.

Em agosto recomecei a dar aulas – o primeiro semestre de 2020 – e a sair de casa com mais frequência. No começo de setembro saiu o financiamento. O projeto tem duas partes principais. A primeira é entender os mecanismos que regem a resiliência à seca na Amazônia. Pensamos em uma definição de longo prazo, com um entendimento matemático relativo a resistência e recuperação. Vamos olhar uma combinação de atributos funcionais: hidráulicos, foliares e outros. Em vez de considerar cada um separadamente, como normalmente se faz, vamos levar em conta a planta como um todo. Ninguém juntou as peças até agora.

A segunda parte é unir arcabouço matemático, dados de campo e propostas teóricas para detectar comportamentos emergentes na escala da bacia amazônica como um todo, a partir do estudo de partes pequenas. Em vez do procedimento habitual de ver a ameaça e medir o impacto, é como se definíssemos o que é uma ameaça a partir da vulnerabilidade da planta. Não sabemos o que sairá disso, mas essa incerteza faz parte do que vejo que o Serrapilheira espera em termos de riscos e inovação científica. Normalmente o sistema acadêmico exige que se publique muito, mas eles consideram bom se publicarmos, em três anos, apenas um artigo forte. Isso permite tentar coisas novas, é muito motivador.

Na questão da resiliência, é importante mostrar como a heterogeneidade da Amazônia pode prevenir que a bacia colapse como um todo. Não é uma floresta, são várias, com características diferentes. Em lugares que estão se tornando mais secos tem mortalidade de árvores, mas os indivíduos jovens já são de espécies mais tolerantes a essas condições. Essas florestas continuam sendo Amazônia, mas têm composição e funcionalidade diferentes.

Temos três pesquisadores em estágio de pós-doutorado no projeto. Cleiton Eller está vinculado à Unicamp [Universidade Estadual de Campinas], Bernardo Flores está comigo na UFSC – é quem trabalha mais diretamente com resiliência – e Deliane Penha de Oliveira está em Santarém, vinculada à Universidade Federal do Oeste do Pará [Ufopa] e responsável pela organização de toda a parte ecológica, de coleta de campo e análise dos dados. Assim que abrir a Floresta Nacional [Flona] do Tapajós, eles começarão a ir mesmo que nosso colaborador Rafael Oliveira, da Unicamp, e eu não possamos acompanhar. É importante termos pessoas de lá no projeto, estamos aprendendo muito com eles.

Em setembro, Rafael avisou que seu grupo de pesquisa iria à chapada dos Veadeiros, em Goiás, fazer trabalho de campo. Deliane e eu decidimos ir também. Éramos quatro pessoas de quatro lugares do Brasil, cada uma chegando em um avião diferente. Mas, em Brasília, entramos todos no mesmo carro para viajar por três horas e meia. Tudo errado, mas eu sentia que precisava de um banho de trabalho. Sendo cientista e pensando em todas as coisas que poderiam acontecer, se olhasse os fatos científicos eu não teria ido. Felizmente, deu certo.

Eu tinha muita energia. Acordava às 6 h para ir a campo, não sentia falta de dormir. Era o final da estação seca, em alguns horários fazia muito calor e precisávamos voltar para casa, onde ficávamos trabalhando e discutindo os projetos. Foi ótimo, combinamos muitas coisas.

Em seguida a Flona do Tapajós abriu e fomos para lá em novembro. Fizemos o reconhecimento da área com nosso colaborador Leandro Giacomin, da Ufopa. Eu nunca tinha ido a Santarém e pude conhecer a floresta de lá. Com o máximo de cuidado, visitamos uma fazenda onde planejamos fazer um experimento. Não ficamos em casas de pessoas, mas em hotéis. Fizemos um workshop com o pessoal da Ufopa em um barco, para evitar ambientes fechados. Foi um ótimo ponto de partida. Como matemática, para mim é muito importante ir a campo para ter ideias. Nem todas vão para a frente, mas fico mais criativa.

Estamos agora planejando o trabalho com base nesse encontro, mas não podemos mais viajar porque a situação da pandemia está muito crítica. A Flona do Tapajós voltou a fechar. É uma floresta extrativista, com uma cooperativa de extração de madeira. Se a doença se espalhasse nas comunidades de lá, seria caótico.

Fazemos remotamente as reuniões mensais do projeto, que têm sido incríveis. Cleiton nos inspirou a começar pela modelagem, a especialidade dele, o contrário do que costumamos fazer. Normalmente construímos os modelos computacionais a partir dos dados de campo. Decidimos começar com o que temos, explorando virtualmente a floresta.

Uma grande lição da pandemia, para mim, é que existem protocolos muito bem estabelecidos na vida, que não mudamos porque dão certo: ir ao mercado, deixar o filho na escola. Tudo tem horário certo, mas de repente deixou de ser possível agir dessa maneira. Por que não aproveitar essa oportunidade na ciência, para ver se coisas novas funcionam? Em vez de ficarmos parados, podemos mudar a ordem das coisas e talvez isso nos dê a chance de ver coisas que antes não enxergávamos. Queremos entender como o campo pode dar suporte ao modelo e vice-versa.

Florianópolis e Santarém estão distantes cerca de 3 mil quilômetros. Mas por força da pandemia nos adaptamos a usar meios de comunicação e essas distâncias diminuíram com prazer. Algumas coisas são melhores pessoalmente, mas já consigo ver que outras resolvemos em reuniões virtuais. Muitos congressos agora acontecem virtualmente. Não é igual, mas é uma forma de fazer e é informativo de certa maneira. Percebi que não preciso ir todos os anos, posso fazer reuniões à parte.

Agora, me adapto à medida que as coisas mudam. Andei repensando o papel da escola na educação do Kai. Antes eu achava que socialização só podia acontecer nesse contexto. Passei a ver a escola como um lugar onde ele encontra regras e experiências diferentes. É uma questão de diversidade, mas não que lá ele possa fazer algo que em casa não pode. Ver nosso papel na socialização dele é outra experiência positiva da pandemia e estou dando muito mais valor a estarmos juntos. Ele também participa mais da minha vida, vê as pessoas na reunião virtual e quer conhecê-las. Fala em ir à Amazônia, como se fosse logo ali. Voltei a trabalhar mais e está sendo bom. Fizemos um sistema de revezamento: à tarde o Kai vai para a escola. Pela manhã, alguns dias eu cuido e em outros é o Felipe.

Percebi que vivia em um sistema muito competitivo e exigente, sempre correndo e atrasada. A pandemia teve o lado bom de me mostrar momentos que sempre fizeram parte da minha vida e por causa da correria tinha deixado de lado: inclusive com meu filho e meu companheiro. Tenho chance de recuperar esse tempo perdido.

Republicar