guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Brasil

Prêmio no México

O físico Constantino Tsallis, do Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF), foi agraciado com o Prêmio México de Ciência e Tecnologia, concedido pelo governo mexicano a profissionais que contribuem para o conhecimento científico universal. O prêmio – diploma, medalha e R$ 115 mil – será entregue pelo presidente Vicente Fox. A cada ano é escolhido um único nome entre diversas áreas do conhecimento, da Física às Ciências Sociais, e entre candidatos da América Latina, Caribe, Portugal e Espanha.

Desde que a premiação foi instituída, em 1990, apenas três físicos foram contemplados. Todos são brasileiros e pertencem aos quadros do CBPF. Além de Tsallis, já venceram Juan Jose Giambiagi e José Leite Lopes. Tsallis desenvolveu uma nova equação matemática para calcular casos complexos de entropia, a função que mede a desordem de um sistema. O estudo tem merecido capítulos em livros de pós-graduação e foi aplicado até para estudar turbulências que ocorrem em vôos.

Tsallis nasceu em Atenas, em 1943. Aos 4 anos emigrou com a família da Grécia para o Brasil e, logo em seguida, para a Argentina. Depois de uma passagem pela Europa, retornou ao Brasil em 1975. Chefiou diversos departamentos no CBPF, publicou mais de 300 trabalhos e ministrou cursos regulares de graduação e pós-graduação no Brasil, França, Argentina e Estados Unidos. Entre os vários livros que escreveu ou editou está Nonextensive entropy: Interdisciplinary applications, com Murray Gell-Mann, ganhador do Nobel de Física de 1969.

Republicar