Guia Covid-19
Imprimir PDF Republicar

Estratégias

Projeto Genoma desperta interesse da África do Sul

O Sanbi, South African National Bioinformatics Institute, situado na Universidade de Western Cape, na Cidade do Cabo, na África do Sul, estáinteressado em estabelecer uma colaboração com os pesquisadores do Projeto Genoma Humanodo Câncer. No dia 18de outubro, o fundador do Sanbi, biólogo Winston Hide, esteve no auditóriodo Instituto Ludwig de Pesquisas sobre o Câncer, São Paulo, falandosobre o banco de dadose o conjunto de softwares desenvolvidos pela equipe que comanda. “O Brasile o meu país têm em comum o fato de serem países em desenvolvimento que fazem ciênciade qualidade.

Uma colaboração científica seria benéfica para ambos”, disse Hide. A Áfricado Sul não tem estrutura de seqüenciamento de genes e por isso concentra seus esforços na bioinformática. O Sanbi trabalha a partir das seqüências disponíveis na Internet, nos bancos de dados públicos,como o Genbank, por exemplo. A idéia de Hide,biólogo evolucionista quese especializou em bioinformática, é tornar disponíveis para o Projeto Genoma Humanodo Câncer as ferramentascomputacionais e o banco de dadosdesenvolvidos na África do Sul e, em contrapartida, desfrutar daqualidade e relevânciadas ESTs, expressed sequence tags ou etiquetas de seqüências expressas, geradas aqui no Brasil.

O banco de dados do Sanbi se chama STACK, Sequence Tag Alignment and Consensus Knowledge , usado pelas Universidades de Cambridge (Inglaterra)e Harvard (EUA), pela Teijin Systems (Japão), Instituto Pasteur (França)e pelo InstitutoMax-Planck (Alemanha).Sua peculiaridade é conter ESTsclustered , isto é,agrupadas.Depois que as seqüênciassaem da máquinaseqüenciadora,essa ferramenta as reúneem grupos, usando um critério de simililaridade. Quando esse agrupamentoé perfeito, cada grupovai corresponder a um RNA mensageiro do organismo.Apesar de a África do Sul concentrar seus estudosno genoma humano – tuberculose, HIVe malária -, o Projeto Cana-de-Açúcar também chamou a atençãodo sul africano. Paulo Arruda, coordenador desse projeto, recebeu Hide no CBMEG, o Centrode Biologia Molecular e Engenharia Genéticada Unicamp, em Campinas.

Republicar