guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Mundo

Reencontro histórico

Duzentos pesquisadores das duas Coréias se encontraram secretamente em Pyongyang, capital da Coréia do Norte, no início de abril, para discutir formas de impulsionar a cooperação científica na península dividida. Histórica em tamanho e em ambição, a reunião havia sido marcada para março, mas foi adiada pela Coréia do Norte, comunista, em protesto contra os exercícios militares conjuntos da Coréia do Sul e dos Estados Unidos. Autoridades do norte disseram aos rivais do sul que o encontro seria suspenso se uma palavra vazasse para a imprensa. O acordo foi cumprido e, no final, o diálogo fluiu. Após um estranhamento inicial causado pelas diferenças de sotaque, “o gelo desmanchou-se quando começaram a falar de ciência”, disse à revista Science o organizador da conferência Chan-Mo Park. Os pesquisadores discutiram projetos comuns. Um deles, no campo dos softwares, busca reduzir o fosso tecnológico que separa os vizinhos. Os norte-coreanos expressaram interesse em energias alternativas, agricultura e na mitigação dos efeitos das tempestades de areia vindas da China. Os sul-coreanos acenaram com dinheiro: dispunham de US$ 600 mil para projetos conjuntos. O sucesso do encontro é atribuído à tenacidade da Soon-Kwon Kim, da Universidade Kyungbuk, em Daegu, que visitou a Coréia do Norte 27 vezes desde 1998. “A ciência é a melhor opção para mudar e ajudar a Coréia do Norte”, disse Kim.

Republicar