Imprimir Republicar

Epidemiologia

Rio Grande do Sul pode ter 7,5 vezes mais casos do que o confirmado

Porto Alegre, onde foram testadas 396 pessoas na primeira fase do levantamento que mede a taxa de infecção pelo coronavírus na população gaúcha

Luciano Lanes / Prefeitura Municipal de Porto Alegre

O número de pessoas infectadas pelo novo coronavírus no Rio Grande do Sul pode ser ao menos 7,5 vezes maior do que o oficialmente registrado, segundo levantamento que está medindo a taxa de infecção na população gaúcha. Na primeira das quatro fases do estudo EpiCovid19, coordenado pelo epidemiologista Pedro Hallal, da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), pesquisadores aplicaram entre os dias 11 e 13 de abril testes rápidos para detectar anticorpos contra o vírus em 4.189 pessoas de nove cidades do estado. Apresentados no dia 15, os resultados indicam que 0,05% dos indivíduos – ou 1 em cada 2 mil – apresentou resultado positivo, um sinal de que havia sido infectado pelo Sars-CoV-2. Extrapolada para os 11,3 milhões de gaúchos, essa proporção sugere que haveria hoje 5.650 pessoas infectadas (com ou sem sintomas) no Rio Grande do Sul, e não as 747 oficialmente registradas – as estatísticas oficiais se baseiam em exames realizados apenas nos indivíduos que adoecem. Esse é o primeiro levantamento a medir diretamente na população a prevalência de infecção pelo vírus. Seus resultados, portanto, são mais próximos da realidade do que os números oficiais medidos até o momento. Os números da epidemia no Brasil mais próximos da realidade deverão ser conhecidos nos próximos meses, quando estiver concluído um estudo nacional, também coordenado por Hallal, que testará quase 100 mil pessoas em todos os estados.

Republicar