guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republish

Astronomia

Sonda revela origem dos ventos solares

Representação artística da sonda Parker Solar Probe, que deve estudar o Sol por quase sete anos

Steve Gribben / Nasa / Johns Hopkins APL

Um pouco maior do que um carro, a sonda espacial Parker Solar Probe é o objeto construído pelo ser humano que chegou mais perto do Sol – e deve se aproximar ainda mais ao longo dos quase sete anos de missão. Lançada em agosto de 2018, a nave robotizada da agência espacial norte-americana (Nasa) já completou três das 24 órbitas previstas em torno da estrela. Nos momentos de maior proximidade, passou a 24 milhões de quilômetros do Sol, menos da metade da distância que o separa do planeta Mercúrio, o mais próximo. Parte dos dados coletados nas três aproximações já foi analisada e está ajudando a compreender alguns mistérios, como a razão de a parte mais externa da atmosfera – a coroa – ser milhares de vezes mais quente do que a superfície ou a origem dos ventos solares, o fluxo de partículas que emana do astro e viaja pelo espaço até muito além dos planetas mais distantes. Há tempos os pesquisadores sabem que o vento solar tem 2 componentes: os ventos rápidos, que viajam a 700 quilômetros por segundo (km/s), e os lentos, que se deslocam a 500 km/s. Os dados da sonda confirmaram que os ventos rápidos são gerados por partículas que escapam por grandes buracos na coroa solar perto dos polos. Já os mais lentos, de origem até então desconhecida, emanam de buracos menores próximos ao equador da estrela (Nature, 4 de dezembro). A forma como são produzidos os ventos pode ajudar a entender por que a coroa é mais quente do que a superfície. A Parker Solar Probe indicou que as partículas do vento são ejetadas na forma de jatos, e não em um fluxo contínuo, como se imaginava. Essa liberação explosiva permitiria o acúmulo de energia na coroa. “Os primeiros dados da sonda Parker mostram nossa estrela, o Sol, de maneiras novas e surpreendentes”, disse Thomas Zurbuchen, administrador associado de ciências da Nasa em Washington, ao serviço de notícias da agência espacial.

Republish