guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Tecnociência

Transformações na emissão de luz

Uma nova maneira de gerar luz fosforescente promete revolucionar os meios de iluminação artificial conhecidos. Pesquisadores dos laboratórios da Sandia – corporação do grupo Lockhead Martin -, nos Estados Unidos, usaram pontos quânticos – nanopartículas semicondutoras que medem cerca de um bilionésimo de metro – para criar o primeiro dispositivo emissor de luz branca em estado sólido.

“O intuito de nosso trabalho”, diz a coordenadora do projeto, Lauren Rohwer, em comunicado da assessoria de imprensa da Sandia, “é conhecer a física da luminescência em escala nanométrica e estender esse conhecimento ao desenvolvimento de fontes de luz mais econômicas e eficientes.” De fato, até o momento, o que impede a produção em escala de sistemas de iluminação à base de materiais semicondutores são os altos custos.

Os chamados LEDs (diodos emissores de luz), por exemplo, conseguem emitir luz azul, verde e vermelha, mas necessitam de chips muito caros para combinar as cores e obter luz branca. O novo dispositivo funciona de maneira diferente. Os pontos quânticos conseguem absorver eficientemente a luz na faixa de comprimento de onda próxima do ultravioleta. Encapsulados em silício ou epóxi, são estimulados por LEDs emissores de radiação ultravioleta a irradiar luz visível.

Como a cor emitida depende do tamanho da superfície que cada emissor possui, basta alterar esse tamanho para obter a cor desejada. Além disso, como os pontos quânticos são tão minúsculos que 70% de seus átomos se concentram na superfície, fica fácil sintonizar suas propriedades de emissão de luz, de modo que cores diferentes possam ser emitidas por um único ponto de qualquer tamanho.

Republicar