guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republish

Estratégias

Tudo pela qualidade das revistas científicas

Especialistas dos Estados Unidos, México e Brasil estiveram reunidos na FAPESP, de 6 a 8 de abril, discutindo critérios de avaliação e seleção de revistas científicas para sua inclusão em bibliotecas eletrônicas e os impactos desses periódicos nos estudos sobre a produção científica. A conclusão principal do encontro foi que qualidade e possibilidade de aprimoramento contínuo de conteúdo devem ser, no Brasil, os pré-requisitos para a inclusão e a permanência das revistas em bibliotecas eletrônicas. O workshop foi promovido pelo Projeto SciELO – Scientific Eletronic Library Online, coordenado pelo Centro Latino-Americano e do Caribe de Informação em Ciências da Saúde – Bireme, com apoio da FAPESP.

Iniciado em fins de 1996, o SciELO hoje disponibiliza 27 revistas científicas nacionais pela Internet, segundo a originalidade e Mérito científico de seu conteúdo, a periodicidade adequada para cada área da ciência e a pontualidade com que é publicada. Mas, de acordo com Abel Packer, coordenador operacional do projeto, “em situações críticas ou que mereçam uma análise mais detalhada”, as revistas passarão a ser submetidas a um comitê nacional de avaliação, que começará a atuar no segundo semestre, e cuja tarefa será assessorar o projeto exatamente na aplicação dos critérios validados no workshop.

O SciELO também pretende desenvolver e adotar um software de apoio ao processo de avaliação, similar ao RevMex, apresentado pela representante do Centro Nacional de Informação e Documentação do México, Gladys Faba. “Um sistema como este auxilia o especialista a verificar ponto por ponto, à medida em que lê cada artigo, tudo o que se refere à normalização quanto ao conteúdo, atribuindo, ao final, um peso à revista como um todo”, diz Packer. O SciELO, segundo James Testa, diretor de desenvolvimento editorial do Institute for Scientific Information-ISI, adota o mesmo padrão básico da instituição em que ele trabalha – a qualidade da publicação -, embora não comercialize seu banco de dados.

No caso do ISI, exige-se que a revista seja publicada há pelo menos um ano ou esteja na terceira ou quarta edição. Quando surgem periódicos dirigidos a áreas novas da ciência, com corpo editorial reconhecido pela comunidade científica, flexibiliza-se a aplicação dos critérios, sem abrir mão, contudo, do necessário ineditismo da contribuição. Limitações de caráter econômico também devem orientar a seleção. Segundo Testa, “a base de dados não pode crescer indefinidamente”.

Republish