guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Roberto Salmeron

Roberto Salmeron: Um físico de alta energia

Roberto Salmeron quer projetos nacionais para ciência brasileira

MIGUEL BOYAYANRoberto SalmeronMIGUEL BOYAYAN

O tempo parece não ter muita importância para o físico Roberto Salmeron, a julgar pela maneira como ele o ignora. Sua rotina é de estourar qualquer agenda, esteja ele no Brasil ou na França. As atividades mais comuns incluem conferências, palestras e cursos, participação em comissões oficiais, apoio a físicos brasileiros em colaborações internacionais, aconselhamento de estudantes brasileiros no exterior, interpretações de experiências alheias, análises da política científica brasileira, artigos e, mais recentemente, planos para escrever livros. Quando sobra tempo, ele também gosta de pintar. Talvez toda essa energia causasse menos espanto se a pessoa em questão não estivesse com 82 anos e não morasse do outro lado do Atlântico, em Paris.

Paulistano, Salmeron é filho de operários com origem na Espanha. Realizou o desejo dos pais ao se formar em engenharia na Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (USP), nos fins dos anos 1940, mas logo migrou para física, vencido por um fascínio que o acompanhava havia anos. Foi o último assistente brasileiro do mitológico professor italiano Gleb Wataghin, que formou e encantou uma espetacular geração de físicos brasileiros. Depois da volta de Wataghin para a Itália, Salmeron completou sua formação em física na Universidade do Brasil (atual UFRJ), no Rio, e foi trabalhar no Centro Brasileiro de Pesquisas Físicas (CBPF), em 1950.

Depois passou pela Universidade de Manchester, na Inglaterra, pelo Centro Europeu de Pesquisas Nucleares (CERN), pela Universidade de Brasília (UnB) e pela Escola Politécnica de Paris, na qual se aposentou.Durante sua estadia na UnB, Salmeron viveu um período tão fértil de ideias e inovações quanto frustrante. O golpe militar de 1964 interrompeu uma experiência importante para o ensino superior do país e forçou a saída do físico para o exterior, por não conseguir trabalho no país. “Foi o período mais difícil da minha vida”, lembrou ele.

Nessa itinerância, Salmeron transformou-se num raro caso em que a referência profissional, de físico respeitado internacionalmente, uniu-se à referência ética e política de um profissional interessado em contribuir para uma pesquisa e um ensino melhores – que, fatalmente, tornarão seu país melhor. Radicado em Paris há mais de 30 anos, hoje Salmeron faz um trabalho de aproximação entre a Politécnica de Paris, a USP e a UFRJ com o objetivo de colaborar com amigos e colegas que trabalham para melhorar a formação dos engenheiros brasileiros.

Durante a longa entrevista que concedeu, demonstrou preocupação com a constante falta de estrutura de financiamento e planejamento dos projetos científicos feitos em colaborações internacionais. Revelou, por exemplo, que o Brasil perdeu projetos dentro do CERN para países como Paquistão. E criticou a falta de grandes programas científicos que gerem impacto no exterior. Tudo sempre com grande entusiasmo.

O senhor está aposentado, tem 82 anos, mas nesta vinda ao Brasil tem a agenda cheia em várias cidades do país. O que senhor tanto faz por aqui?
Venho mais freqüentemente a São Paulo, São Carlos, Rio e Brasília, mas sempre há outras coisas para fazer em outros estados. Estive há poucos meses em Fortaleza, num congresso, e devo ir a Belém, fazer umas palestras.

Isso significa que o senhor continua em plena atividade no Brasil e na França?
Continuo. Na França, evidentemente, não faço mais experiências. Parei depois que me aposentei, aos 70 anos. Na parte de física, continuo interessado na interpretação dos resultados das experiências feitas sobre um assunto no qual trabalhei durante 15 anos, à procura do plasma de quark-glúon. Embora não faça experiências, conheço os resultados dos trabalhos feitos na Europa e nos Estados Unidos, e me interesso pelas interpretações. O grupo que eu coordenava antes de me aposentar continua a experiência que eu tinha começado lá no CERN, pensa que descobriu o plasma de quark-glúon. Mas eu não acredito.

Por quê?
O problema do plasma é complexo. É preciso fazer a colisão de dois núcleos de átomos, de preferência pesados. Por exemplo: chumbo contra chumbo, urânio contra urânio. Fazemos isso para deixar as partículas num estado de energia muito elevado. Dessa colisão de núcleos, se o fenômeno existir, os prótons e os nêutrons devem se dissociar em quarks e glúons. Como é que podemos saber que existe esse fenômeno? Analisando as partículas que saem da colisão. Há certas partículas que, se o plasma existir, têm de ser produzidas com certa probabilidade e têm de sair com certas propriedades de energia. Agora, esse é um processo nuclear extremamente complexo. Então, suponhamos que a gente estude uma certa partícula de nome A. Há outros processos nucleares que também produzem essa partícula A. Não é só o plasma. Quer dizer que para sabermos se essa partícula foi produzida pelo plasma temos de excluir todos os outros processos possíveis. Fiz um modelo teórico simples pelo qual demonstro que certas partículas que são características do plasma também são produzidas com as mesmas propriedades em processos nucleares clássicos que não têm nada a ver com o plasma. Então não precisamos do plasma para explicar a sua produção.

E por que exatamente o senhor não acredita que o seu antigo grupo tenha descoberto a partícula quark-glúon?
Porque há mais de uma interpretação para o fenômeno. Um fenômeno só pode ser considerado novo se não houver nenhuma outra interpretação possível. Mas se for explicado por um processo clássico, conhecido, não precisamos dele.

Essa atividade de análise de experiências o senhor faz em Paris. Quando o senhor vem para cá, faz o quê?
Coisas bem diferentes. Por exemplo, nesta viagem. O Ministério da Ciência e Tecnologia criou uma comissão para escolher o novo diretor do CBPF. Fazem parte dessa comissão Carlos Henrique de Brito Cruz, reitor da Unicamp, José Roberto Leite, diretor de Desenvolvimento Científico e Tecnológico do CNPq, Fernando Zawislak, da UFRGS, Marco Antônio Raupp, diretor do Laboratório Nacional de Computação Científica, e eu. Vim aqui agora porque temos quatro candidatos e vamos entrevistá-los.

Em quais projetos mais o senhor está envolvido no Brasil?
Eu faço uma coisa que me interessa muito, que é trabalhar pelo ensino. Sou físico aposentado na Escola Politécnica de Paris, a École Polytechnique, uma das mais importantes do mundo e certamente a mais importante da França, junto com a École Normal Supérieure. Consegui um convênio da École Polytechnique com a USP dos campi de São Paulo e de São Carlos, e com a UFRJ. Por esse convênio, as duas universidades brasileiras têm o direito de mandar para a Polytechnique estudantes de graduação. Eles estudam dois anos e meio na Polytechnique e recebem o título de engenheiro lá. Ficam com dois diplomas, o brasileiro e o francês. É ótimo, é o nível mais alto que existe no mundo em cursos de graduação.

Como o senhor trabalhou por esses convênios?
A Politécnica de Paris se abriu para muitos países. Na América Latina colabora agora com o Brasil, o Chile e o México. Na Europa com a Alemanha, a Polônia, a Suécia, a Rússia, a Romênia. Na Ásia com a China, a Coréia do Sul, o Vietnã… Como sou brasileiro, conversaram para ver se eu estava interessado em ajudar no contato com universidades brasileiras. Como fui da USP e tenho contato constante também com a UFRJ, tratei de fazer essa aproximação.

Como funciona o convênio?
Os professores brasileiros selecionam alunos de engenharia, física, matemática, química, que se apresentam. Digamos uns 30, entre 70 ou 80. O primeiro critério é ser bom em matemática. Depois da seleção brasileira, vem uma comissão de professores da Polytechnique entrevistar esses alunos. E mais uma vez selecionam um certo número. No dia 2 de abril deste ano tive um prazer imenso porque a primeira turma da USP, que foi para lá em 2002, se formou. Foram 11 alunos, da Escola Politécnica de São Paulo, da Escola de Engenharia de São Carlos e dos Institutos de Física e de Matemática dos dois campi. Já há duas outras turmas lá, com 14 estudantes cada uma. Este ano selecionaram 11 da USP e três da UFRJ porque no Rio ainda se apresentaram poucos candidatos. O meu objetivo com isso é contribuir para elevar o nível do ensino das escolas de engenharia aqui.

Quem paga para eles ficarem em Paris?
É a Polytechnique. E a coisa bonita na França é que todo mundo tem o mesmo direito, não há discriminação. Os estudantes franceses têm uma bolsa de cerca de 1.300 euros por mês (é mais ou menos R$ 5 mil). Os estrangeiros também. Com esse dinheiro eles pagam o alojamento, a cantina, os estudos, e sobra quase 400 euros por mês para cinema, metrô, roupa etc.

Como era seu trabalho na École Polytechnique de Paris?
De vez em quando dava cursos em assuntos relacionados com o meu tema de trabalho, mas a minha atividade principal era pesquisar e dirigir grupos de pesquisa. Além de físico, sou engenheiro. Eu me formei antes na Politécnica da USP e foi durante o curso de engenharia que comecei a gostar da física, que eu ensinava em cursinhos e colégios, como muitos jovens fazem hoje. Minha família era pobre e eu tinha de ganhar para mim, mas também para ajudar a família.

Isso não era tão comum há 60, 70 anos, não é? Alguém que sai de uma família humilde, consegue freqüentar bons colégios públicos, chega à universidade e tem uma progressão como o senhor teve, tão forte dentro da universidade.
Tive uma sorte imensa na minha vida. A minha família era de operários, mas, parece incrível, todos com interesse cultural. Todos liam muito, eram tremendamente politizados. Eu era garoto quando houve a guerra na Espanha. Liam jornais todos os dias, e eu ouvia diariamente discussões sobre o que estava acontecendo. Eu tenho a memória desse tempo com meu pai e meus tios; eram contra o general Franco, contra o fascismo, e solidários com a República espanhola. Como estudei engenharia? Desde pequeno eu ouvia meu pai, meu avô – pai da minha mãe – dizendo “o Roberto vai ser engenheiro, não vai ser operário”. Estudar engenharia tornou-se coisa óbvia, nunca pensei em fazer outra coisa. Mas durante o curso de engenharia eu tive um excelente professor de física na Escola Politécnica, que se chamava Luiz Cintra do Prado. Foi um dos melhores professores de física que eu vi em minha carreira, em todos os países em que vivi. Eu gostava desse curso, gostava daquela lógica da física. Depois, quando me formei, o professor Cintra do Prado convidou-me para ser seu assistente. Foi isso que abriu minha carreira universitária. Trabalhei como assistente dele e, ao mesmo tempo, durante um ano, uma vez na vida, trabalhei como engenheiro, logo depois de formado, no Instituto de Eletrotécnica da USP. Mas, como eu gostava de física, quando era aluno da Politécnica de vez em quando ia assistir aos cursos do professor Gleb Wataghin na Faculdade de Filosofia. Um dia fui conversar com ele, e daí então passei a trabalhar em raios cósmicos.

Gleb Wataghin aceitou o senhor assim, imediatamente?
Imediatamente. Pedi minha demissão no Instituto de Eletrotécnica e aceitei uma bolsa na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, que era muito menor do que o meu salário anterior. O professor Wataghin era um homem delicioso, de um humanismo extraordinário, sabe? Ele tratava todas as pessoas de senhor ou senhora. O mais jovem estudante que fosse conversar com ele, ele tratava de senhor. Na nossa primeira conversa ele me perguntou: “O senhor tem consciência de que, como engenheiro, pode se tornar um homem muito rico no seu país?”. Eu respondi: “Tenho, professor”. Ele: “E o senhor quer ser físico?”. Respondi: “Quero tentar”. Ele ficou pensando uns minutos e disse: “O senhor é casado?”. Eu: “Sou noivo”. Ele: “E ela sabe, está de acordo?”. Eu: “Sabe, professor, e concorda”. Ele conversou comigo como se estivesse me preparando para uma catástrofe. Foi muito engraçado. No fim, disse entusiasmado: “Então vamos falar de física”.

Foi aí que o senhor entrou para o mundo da física de partículas?
Foi. As experiências do laboratório do professor Wataghin eram todas feitas com contadores Geiger, importados, que chegavam, em boa parte, quebrados. Ele sugeriu que eu construísse esses contadores em grande número aqui. Ele era muito entusiasmado com raios cósmicos. E me dizia que dali a alguns anos eu iria para a Europa trabalhar em raios cósmicos nos laboratórios nos Alpes, numa paisagem maravilhosa de neve que não existe aqui no Brasil. Dizia que o pôr-do-sol nos Alpes era um espetáculo e de noite eu veria a Via Láctea com milhares de estrelas. Não só isso: lá na Europa, ele falava, havia muitas conferências, e eu iria conhecer o (Albert) Einstein, o (Adrien) Dirac, o (Enrico) Fermi, o (Niels) Bohr, o (Wolfgang) Pauli… “O senhor vai ver como é que esses homens pensam, como é que eles se exprimem, é uma coisa maravilhosa”, me dizia o professor Wataghin. Aí ele parou e disse: “Como físico, a gente não fica rico, mas se diverte muito”.

E o senhor confirmou isso?
Confirmei. Eu acho que a minha vidatoda eu fui pago para me divertir. Desde aquela época até hoje eu faço a física com o mesmo prazer, com a mesma determinação.

O senhor conheceu esse pessoal citado pelo Wataghin?
Não todos. O Einstein e o Fermi morreram mais ou menos naquele período, entre 1954 e 1955. Os outros todos eu conheci.

Por que o senhor decidiu sair da USP e ir para o Rio de Janeiro?
Fui o último jovem brasileiro orientado pelo professor Wataghin. Ele ficou na USP por 16 anos e decidiu voltar para a Itália. Quando partiu, ficou um vácuo na Faculdade de Filosofia. Quer dizer, havia físicos que já eram eminentes naquela época, como o Mario Schenberg, o Marcello Damy, o Oscar Sala, o Paulus Pompéia, o Abrão de Moraes, todos excelentes. Mas a personalidade do Wataghin, ali, fazia falta. Decidi ir para o recém-fundado CBPF, a convite do Cesar Lattes, onde fiquei três anos.

E saiu do CBPF por quê?
Eu era um jovem de esquerda e todo mundo sabia disso, não ocultava nada. Mas nunca fui ligado a nenhum partido político e não tinha atividade política. Nem tinha tempo para isso. Aí houve um incidente. Nós, os físicos do CBPF, visitamos o Arsenal da Marinha, no Rio, onde havia laboratórios de física muito bem montados. Passamos lá muitas horas e almoçamos com os oficiais. O almirante Álvaro Alberto, então presidente do CNPq, participou da visita e durante o almoço, por acaso, eu me sentei ao lado dele. Fomos fotografados, e as fotos apareceram na revista da Marinha. Eu soube depois que o chefe da Polícia do Rio telefonou para o almirante dizendo que eu era de esquerda. O almirante ficou furioso… comigo. Tanto que eu nunca tive uma bolsa do CNPq.

O senhor chegou a pleitear bolsa?
Eu encontrei, por acaso, o professor Costa Ribeiro, do Rio de Janeiro, que era do conselho do CNPq. Eu contei que estava querendo ir para a Inglaterra com uma bolsa e ele me aconselhou a não pedir nada naquele momento. Era um sinal, não é? Até que ele foi muito amigo. Teria sido pior ter uma bolsa recusada.

O almirante ficou bravo com o senhor apenas por causa do episódio da fotografia?
Não é incrível? Logo depois tive a prova da raiva que ele ficou de mim. O Cesar Lattes queria obter um síncrotron para o Rio de Janeiro, idêntico àquele com o qual ele tinha feito um trabalho importantíssimo em Berkeley, quando produziu o méson-pi artificialmente. Então foram para o CBPF engenheiros e físicos da Universidade de Chicago, que passaram uns tempos no Rio para projetar o síncrotron. Num certo momento eles ficaram num prédio do CBPF. O almirante Álvaro Alberto deu ordem para me impedirem de entrar no edifício onde os americanos trabalhavam. Eu achei aquilo ridículo e inaceitável, e decidi cair fora. Seria uma imoralidade que eu faria comigo mesmo se aceitasse aquela condição. Decidi então me demitir do CBPF. Na mesma época eu soube que a Unesco estava oferecendo bolsas de estudo para o exterior. Solicitei uma delas para mim e a obtive. Fui fazer meu doutorado na Universidade de Manchester. Isso foi em 1953.

Em raios cósmicos?
Sim, em raios cósmicos. Escolhi Manchester porque sabia que lá ficava o laboratório de raios cósmicos mais importante do mundo. E sabia que Patrick Blackett, o professor diretor do laboratório, prêmioNobel de Física, era o papa do assunto. Aprendi depois que ele era também um grande líder científico, o melhor administrador de ciência que conheci na minha vida. Vou lhe dar um exemplo da tremenda visão que ele tinha. Durante a Segunda Grande Guerra, os ingleses se alistaram nas forças armadas para combater. Isso incluía os universitários e, naturalmente, as universidades ficaram quase vazias. Blackett disse: “Não é possível continuar assim, porque a guerra vai acabar um dia, então nós temos de pensar em preparar jovens para depois da guerra”. E recomendou que um grande número de docentes voltasse para a universidade.

Isso foi feito?
Sim. Muitos universitários foram chamados de volta, mas trabalhavam no que se chamava defesa civil. Quer dizer: quando havia bombardeio eles trabalhavam como bombeiro, como assistente de enfermeiro, essas coisas. Mas os cursos não pararam.

Foi o Blackett quem o indicou para o CERN?
Foi. Quando estava escrevendo a minha tese e ia voltar para o Brasil, Blackett me chamou e perguntou se eu gostaria de ficar mais tempo na Europa e trabalhar no CERN. Eu nem sabia o que era o CERN, que tinha acabado de ser criado. Ele disse que me faria bem passar mais um ano ou dois na Europa. Fui para Genebra, conversei com o diretor do CERN e terminei contratado por um ano. Agora o CERN estava no começo. Nem existia, na verdade. Nós trabalhávamos em barracões de madeira emprestados pelo aeroporto de Genebra. Quando fui para lá éramos menos de dez físicos experimentais – eu fui um dos dez primeiros físicos experimentais contratados pelo CERN. Não havia nada.

Quanto tempo o senhor ficou lá?
Era para ficar um ano. Acabei ficando o segundo ano, o terceiro, aí me deram um contrato permanente. Eu poderia ter me aposentado lá se quisesse. Na primeira fase fiquei oito anos em Genebra.

O primeiro acelerador ficou pronto depois de quanto tempo?
O menor em três anos e meio – um recorde. O outro, maior, com o qual eu trabalhei, demorou cinco anos. Era na época o maior acelerador do mundo. Hoje está em construção um grande acelerador de prótons – o Large Hadron Collider (LHC). Acontece que os prótons passam por uma associação de aceleradores, vários deles antes de chegarem ao LHC.

O LHC vai ficar exatamente no lugar do Large Electron Position (LEP), o acelerador de elétrons que foi desativado?
Exatamente. É o mesmo túnel, de 27 quilômetros de circunferência. Mas é uma outra máquina, porque as condições para o acelerador de elétrons são muito diferentes das condições para o acelerador de prótons.

Voltou para o Brasil direto do CERN para a UnB. Quem o convidou?
No fundo, não houve convite formal. Eu participava de grupos de discussões sobre a criação da universidade com amigos interessados em melhorar o ensino superior. Agora, o homem que idealizou a estrutura da UnB foi Anísio Teixeira, o maior educador que o Brasil já teve. Ele já tinha pensado nessa nova estrutura para a antiga Universidade do Brasil no Rio, hoje UFRJ, muito antes de se pensar na UnB. Ele queria introduzir essa estrutura de institutos e faculdades, como há hoje em todas as universidades brasileiras, quando a Universidade do Brasil se mudasse para a cidade universitária lá na Ilha do Fundão. Mas em Brasília começamos antes.

Antes da UnB não era assim?
Não, não era. A originalidade da UnB foi essa. A estrutura que é adotada hoje na USP, na UFRJ, em todas as universidades, começou em Brasília, em 1962. Mas foi apenas uma das inovações, a de fazer institutos centrais e faculdades. De haver, por exemplo, um Instituto de Física, onde são dadas as aulas para os estudantes de engenharia, todos os ramos da engenharia, física, química, matemática, medicina, biologia, assim por diante. Isso não havia antes de Brasília. Em 1970 houve a reforma universitária, onde isso foi utilizado. Até 1970, a Escola Politécnica da USP tinha um departamento de matemática e a Faculdade de Filosofia tinha outro. Outra novidade importantíssima de Brasília é que nós mudamos a estrutura da carreira universitária. Até aquela época havia em cada disciplina o catedrático e os assistentes. Fomos nós que introduzimos uma carreira universitária em que o jovem começava com o título de assistente depois de ter a tese obrigatória para começar a carreira. O docente tinha de passar pelos postos de professor-assistente, professor-associado e professor titular; e em cada uma delas vários graus: professor assistente de nível 1, 2, 3, titular 1, 2, 3 e assim por diante. Fomos nós que terminamos com a carreira de catedrático e assistente. Foi uma grande inovação. E na reforma universitária, em 1970, isso foi introduzido para todo o Brasil.

Por que ficou a imagem de que o Darcy Ribeiro foi grande idealizador da UnB?
Ele teve uma influência enorme para que a universidade existisse, mas não a idealizou. O Darcy trabalhava com o Anísio Teixeira, que dirigia o Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos (Inep) do Ministério da Educação. Foi com o Anísio que o Darcy aprendeu o que era universidade. O Anísio idealizou e lançou o projeto no tempo da construção de Brasília. O Darcy se entusiasmou e então trabalhou muito. O Anísio percebeu que seriam precisos especialistas para dizer como é que a universidade deve ser dentro da área deles, em medicina, engenharia, biologia, química etc. E quando ele lançou essa ideia o Darcy se juntou a ele e começaram a criar grupos de conselheiros. Um dia me escreveram fazendo o convite para participar de um dos grupos como conselheiro. Vim várias vezes de Genebra para essas discussões. No fim, depois de muito trabalhar como conselheiro, acabei decidindo ir para Brasília como se fosse uma coisa natural do meu trabalho, sem ter recebido um convite formal. Tudo ia muito bem quando veio o golpe militar. Foi dramático. Eu estava em Brasília havia poucos meses e não tinha pedido licença no CERN. Simplesmente me demiti porque pensei que nunca mais iria sair do Brasil. Comecei a trabalhar em Brasília no dia 2 de janeiro de 1964. E o golpe foi dia 31 de março, ou melhor, no dia 1º de abril. Aí começou um período muito duro, a universidade foi muito perseguida.

Quanto tempo o senhor agüentou?
Dois anos, até o fim de 1965. Agora, foi um período extraordinário porque em Brasília havia grande entusiasmo. O Darcy Ribeiro foi reitor da Universidade de Brasília por poucos meses. A universidade foi criada pelo Juscelino, mas a lei foi promulgada pelo João Goulart. Como o Anísio organizou o sistema escolar de Brasília e conhecia tudo sobre o ensino na cidade, o Juscelino queria que ele fosse o reitor. Mas ele não quis porque a família morava no Rio e não queria se mudar. Foi aí que ele sugeriu que o Darcy fosse o reitor. O Anísio ficaria como vice para poder prestigiar o Darcy. E o Darcy, comaquela energia extraordinária, trabalhava doidamente. O João Goulart acabou gostando tanto do Darcy que o convidou para ser ministro da Educação e, logo depois, chefe da Casa Civil. O Anísio, como era vice-reitor, passou a ser o reitor. Isso foi em 1963. Foi nessa época que cheguei à UnB.

E por que esse entusiasmo todo não foi suficiente para impedir que os 223 professores se demitissem em 1965?
Porque era impossível ficar. A ideia de demissão foi amadurecendo em cada um de nós individualmente. Qualquer coisa que acontecesse na universidade o serviço secreto do Exército sabia um quarto de hora depois. Se houvesse uma discussão de estudantes no corredor a polícia sabia 15 minutos depois. Chegava a esse ponto. Nossas aulas eram gravadas e levadas para a polícia. Trabalhávamos intensamente, era um entusiasmo como nunca vi em nenhum outro lugar. Os professores e estudantes trabalhavam em condições tão difíceis e deficientes que, às vezes, me dava pena. Mas os estudantes não reclamavam, compreendiam. Era uma atmosfera muito construtiva.

Mesmo com o golpe.
Mesmo depois do golpe. Todos, professores e estudantes, tinham consciência de que estavam fazendo algo de novo. Então, em Brasília, a parte de perseguição militar era constante. Se houvesse um seminário no anfiteatro, havia gente da polícia lá. Havia policiais inscritos como estudantes. Não é possível você trabalhar sabendo que o seu colega do departamento do lado foi demitido ou preso, você não pode ficar tranqüilo. Eu tinha muito contato com os militares, procurando explicar a eles o que se fazia. Às vezes me convidavam para tomar um cafezinho à noite para se queixarem da universidade. Assim era o ambiente. Como vê, a demissão era inevitável.

A solução foi voltar para Genebra.
Quando eu me demiti fiquei cinco ou seis meses desempregado e era minha mulher, Sonia, quem sustentava a família, como psicanalista. O diretor-geral do CERN, Victor Weisskopf, soube o que acontecia na UnB. Certo dia apareceu lá em casa um secretário da embaixada francesa dizendo que tinha uma carta do professor Weisskopf para ser entregue para mim, pessoalmente, em mãos. Era um contrato, já assinado pelo Weisskopf, para eu voltar para o CERN. Ainda fiquei com essa carta três meses, antes de me decidir a ir.

Por quê?
Porque eu não queria sair do Brasil. Eu ainda tentei conseguir trabalho em universidades do Rio, de Minas e da Bahia, mas não houve interesse das reitorias, certamente por conta do clima político. Então acabei voltando para Genebra. Psicologicamente foi o período mais difícil da minha vida. Foi muito duro. No CERN, o Weisskopf me deu o mesmo posto vitalício que eu tinha antes, que era bastante alto. Então fiquei mais um ano e meio no CERN. Nessa época eu também recebi convites para ir para as universidades de Oxford, na Inglaterra, de Columbia, em Nova York, de Trieste, na Itália, e para a Escola Politécnica de Paris. Poderíamos ficar em Genebra até eu me aposentar. A vida lá era muito boa, a educação dos filhos de alto nível, a universidade excelente. Mas, depois de muitas discussões com minha mulher, concluímos: “Se nós tivermos de educar os filhos fora do Brasil vamos para Paris, porque lá as crianças vão se desenvolver num ambiente intelectual único no mundo”. Embora a física em Paris seja do mais alto nível internacional, fomos para Paris por causa dos filhos, não por causa da física. Física de alto nível eu também tinha no CERN.

Como o senhor vê a física no Brasil nos dias de hoje?
A física, como todas as ciências, progrediu muito no Brasil, especialmente nos últimos 30 anos. Temos muitos físicos bem formados, muito competentes. Mas são poucos os grupos com impacto internacional. Isso ocorre devido à falta de uma infra-estrutura que permita três condições fundamentais na pesquisa científica: uma autoridade que defina prioridades e que seja respeitada, agilidade para que a decisão a respeito de um projeto possa ser tomada em pouco tempo, e continuidade no financiamento de projetos.

Está também faltando mais anos de experiência da comunidade, com espírito crítico agudo, num processo de amadurecimento, para que as pessoas envolvidas num trabalho adquiram o hábito de ir o mais profundamente possível no problema específico que estão estudando, de ir até as últimas conseqüências e poder se impor. É também pequena a participação do Brasil em projetos internacionais importantes, embora tenhamos pessoas capacitadas a participar de tais projetos. Há certos ramos da física que só podem ser feitos com colaboração internacional. Até em países ricos como Estados Unidos, França, Inglaterra, Alemanha, Itália e Suécia, há certos ramos que nenhum deles pode fazer sozinho. Por duas razões: a questão financeira e por causa do tempo de trabalho. Há certos equipamentos que, em colaboração internacional, demoram oito, dez anos para ser construídos, com a participação de 10, 15, 20 países. Se um país quiser fazer sozinho, quando ele terminar, o assunto já estará obsoleto, ou talvez nem possa fazer. Colaboração internacional é indispensável. Veja dois exemplos, o Observatório Pierre Auger, na Argentina, e o Southern Observatory for Astrophysical Research (Soar), no Chile. Esses dois projetos importantes foram aprovados porque houve a participação decisiva da FAPESP. Infelizmente, isso acontece raras vezes no Brasil, porque as decisões são tomadas por comitês que tendem a distribuir pequenas verbas para vários grupos e não têm a autoridade que teve a FAPESP de tomar uma decisão, assumir a responsabilidade, auxiliando fortemente no financiamento de um projeto grande. Está faltando infra-estrutura para colaborações internacionais no Brasil, começando com uma reestruturação das fontes de financiamento. Quando há colaboração internacional, o país assume a responsabilidade de construir equipamentos. Essa construção demora anos, e é preciso viajar sempre para ter contatos com todos os laboratórios que participam. E no Brasil não há uma estrutura para isso.

Dê um exemplo concreto dessa falta de estrutura.
Vou falar no caso específico de física de partículas: se um grupo brasileiro quiser trabalhar no CERN não há uma estrutura no Brasil que possa financiar equipamentos e viagens. Para cada coisa é uma luta para conseguir verba. Veja um caso dramático: há quase uma centena de físicos brasileiros que apresentaram projetos para trabalharem nas quatro experiências que devem ser feitas no acelerador de partículas LHC, do CERN. Esses projetos brasileiros foram apresentados há anos, foram aprovados no CERN, mas ainda não foram aprovados no Brasil. O que está acontecendo é que, como para cada parte do projeto há um tempo limitado e o Brasil não se mexe, as responsabilidades estão sendo passadas para outros países. Por exemplo: uma das experiências pedia uma grande peça de um eletroímã, que é uma trivialidade para o Brasil fazer, com a qualidade da nossa indústria, que poderia ter sido feito até num dos laboratórios da Comissão Nacional de Energia Nuclear. O grupo brasileiro propôs, o CERN aceitou e durante dois ou três anos não aconteceu nada. Como cada peça tem que ser terminada num período determinado, o projeto foi dado para o Paquistão. O Brasil já perdeu isso. E outros projetos que os brasileiros queriam fazer estão sendo passados para outros países.

Quando o Brasil faz esses projetos de colaboração no CERN, tem de entrar também com dinheiro?
Tem que entrar com equipamento, o que para nós é excelente, é tudo coisa de vanguarda. O CERN é grande, custa caro, e é financiado por 20 países (os donos do CERN). Mas os países que tomam parte das experiências, como o Brasil, não financiam o CERN, participam do financiamento das experiências nas quais partilham. É uma verba à parte, que não tem nada a ver com o financiamento do CERN. Para se avaliar o custo de participação nessas experiências, deve-se avaliar o gasto por físico e por ano. Quando se faz esse cálculo, nota-se que o gasto de uma experiência feita pelos brasileiros em Genebra custa o mesmo que fazer física dos sólidos aqui em São Paulo ou no Rio. Há uma falta de informação muito séria: essa física de partículas não é mais cara do que as outras físicas. Se temos de fazer um equipamento com um grupo brasileiro com dez físicos, isso pode custar, digamos, US$ 1 milhão para ser gasto em vários anos. O Brasil paga por isso, mas quase tudo é feito nas indústrias do próprio país. Tem de se pagar uma parte no primeiro ano, uma parte no segundo, outra no terceiro etc. Esse equipamento vai ser usado durante oito, dez anos. Quando se pesam quantos anos ele será usado e quantas pessoas trabalharão, por pessoa por ano custa a mesma coisa que os outros projetos. A dificuldade é: como é que um comitê do CNPq, com uma verba limitada, vai aprovar um projeto de US$ 1 milhão se não tem esse dinheiro? Então é preciso uma estrutura especial de onde venha essa verba. E isso tem de ser um projeto nacional. Também faltam aqui grandes projetos nacionais mobilizadores prioritários. Não há uma determinação clara que estabeleça a linha que será prioritária no país e terá prioridade no orçamento para ter impacto internacional. Não existem aqui linhas de pesquisa criadas para ter impacto internacional.

E isso não depende só de dinheiro.
Não. Depende de dinheiro e de estrutura. Também há uma parte cultural: os cientistas têm de aceitar que isso deve ser feito.

O senhor acha que não há essa mentalidade?
Muito pouco. Nem de longe é como o que se faz na Europa e nos Estados Unidos. Na França, quando o governo define uma prioridade evidentemente isso não cai do céu e nem é feito apenas por autoridade. A questão é estudada por gente competente durante muito tempo, com consultores estrangeiros, é amadurecida e aí se torna prioridade. Logo, quando é lançada, essa prioridade é aceita por todos, ninguém protesta. Não existe a preocupação “você tem xis cientistas e tem uma certa quantidade de dinheiro, vamos dividir o dinheiro por xis”.

E quem deve ser responsável pelo financiamento?
Acredito que o governo federal junto com as várias fundações de amparo à pesquisa do país. Nós temos pessoas como, por exemplo, Sérgio Rezende, presidente da Finep, e José Roberto Leite, do CNPq, que sabem que tem de haver uma infra-estrutura e estão trabalhando para encontrar uma solução. Uma ideia que se desenvolveu é de que através dos fundos setoriais se crie uma infra-estrutura para colaborações internacionais, não só em física, claro.

O que o senhor acha que vai ser mais importante no futuro, na física?
Um relatório foi divulgado há uns dois anos por um comitê norte-americano sobre isso. A conclusão é de que na física vai haver cinco campos importantes: física de partículas, cosmologia e astrofísica, física atômica, física em medicina e biologia e física de materiais.

O senhor tem fé na ciência, na educação, no Brasil… Tem fé em Deus?
Não tenho, não. Nem quando era garoto. Minha mãe era muito católica. Tanto que eu me chamo Roberto Aureliano Salmeron porque nasci no dia de Santo Aureliano, e a minha mãe e a minha avó puseram o nome para saudar o santo. Meu pai não tinha religião e assimilei isso sem doutrinação. Minha mãe queria que eu fizesse catecismo. Lembro-me que eu ia ao colégio Coração de Jesus, nos Campos Elísios, em São Paulo, aos domingos, para assistir ao catecismo. Mas o que me interessava mesmo era jogar futebol porque tinha um pátio maravilhoso… Então íamos jogar futebol no colégio dos padres.

Republicar