Guia Covid-19
Imprimir PDF Republicar

Opinião

Web of Science e SciELO se integrando

Recentemente, a partir de uma iniciativa da diretoria científica, a FAPESP adquiriu o direito de disponibilizar o site Web of Science do Institute of Scientific Information (ISI) aos seus usuários e às bibliotecas de universidades e de institutos de pesquisa do Estado de São Paulo. Trata-se de uma poderosíssima base de dados para pesquisas bibliográficas e de citações. Na verdade, as duas possibilidades estão interrelacionadas. Isto porque a pesquisa bibliográfica pode ser feita por termos, por autores ou por citações, esta última uma exclusividade desta base de dados. A sua vantagem consiste em permitir identificar com rapidez as publicações (com os correspondentes autores, títulos e resumos) que citaram um determinado trabalho do interessado.

Obviamente, navegar pelo conjunto de trabalhos que o citam é descobrir fatos relevantes à sua pesquisa, os quais freqüentemente não seriam encontrados pelas duas outras formas de busca, isto é, por autores e por termos. Além do mais, esta base de dados é de grande utilidade na obtenção de indicadores bibiométricos, tais como total de publicações de um autor, de uma instituição ou de uma região geográfica. Fornece ainda o total de citações de um autor ou de uma publicação. Tais indicadores são cada vez mais reconhecidos como importantes em estudos de ciência e em política científica. A base cobre um total de cerca de oito mil revistas indexadas no ISI e de artigos publicados de 1977 até o presente, em todas as áreas do conhecimento.

Um site especial foi instalado na FAPESP para armazenar a base, a qual é atualizada semanalmente. Esta base cobre parte relevante, mas parcial, da produção científica mundial. Apenas cerca de 25 % das publicações brasileiras estão em revistas indexadas pelo ISI. Dessa forma, 75 % de nossa produção científica é pouco visível internacionalmente. Muito desse conhecimento é relevante e de interesse da comunidade internacional (vide artigo de W.W. Gibbs, no Scientific American de agosto de 1995, Lost Science in the Third World ). Ele simplesmente se encontra inacessível, exceto para um universo bem limitado periódicos publicados a partir de 1997, e formar uma base de dados que, se ainda incipiente, deverá, num prazo relativamente curto, contar com informações de leitores locais.

Há um ano, a FAPESP iniciou, em parceria com a BIREME, um projeto visando alterar este quadro e que está sendo reconhecido pelo nome do site, SciELO (scientific electronic library on line ). Ele teve como principais metas:

1-prover on line versões eletrônicas de revistas brasileiras selecionadas, com textos completos dos correspondentes artigos. Visou-se, com isso, tornar internacionalmente visível a parte mais relevante da literatura nacional não coberta pelo ISI, através de uma escolha criteriosa dos periódicos nacionais que seriam indexados pela FAPESP. Considerou-se também, que a indexação FAPESP, criaria estímulos para o aprimoramento dos periódicos, em termos de composição de corpo editorial, periodicidade, cuidado na revisão de textos, etc.

2- simultaneamente, criar uma base de dados, semelhante à do ISI, onde fosse possível recuperar publicações e citações de artigos, autores, instituições e regiões geográficas. Visou-se, nesse caso, obter indicadores da produção nacional não pertencente ao main stream da literatura científica, fornecendo elementos para estudo da dinâmica de comunicação científica no Brasil. Poder-se-ia, assim, responder a perguntas do tipo: a publicação doméstica é uma decisão conceitual ou pragmática? Ela tem algum efeito impactante  Para o desenvolvimento do SciELO foi necessário criar uma metodologia que permitisse simultaneamente a produção de textos completos de artigos eletrônicos e a alimentação de uma base de dados com elementos provenientes da marcação do texto de palavras-chaves, autores, citações, etc.

Este processo foi desenvolvido por uma equipe da BIREME, supervisionada por Abel Packer, coordenador operacional do SciELO, e contou com assessoria internacional. Um conjunto de doze periódicos nacionais pertencentes a diferentes áreas do conhecimento foi inicialmente escolhido para uma fase piloto de dois anos, que ora termina. Com o acompanhamento contínuo dos seus editores foi possível estabelecer a metodologia, lançar on line os números dos de importância para análise da produção científica brasileira. Isso porque a segunda fase do projeto inicia-se agora e tem como meta integrar ao sistema cerca de 70 novos periódicos nacionais, num período de dois anos, cobrindo, junto com a base do ISI, cerca de 70% da produção científica nacional.

O sucesso da primeira fase pôde ser medido num recente simpósio ocorrido na BIREME, onde experts da América Latina, dos Estados Unidos e da Europa manifestaram-se muito positivamente com relação ao desenvolvimento do projeto. Houve também manifestação clara de interesse, por parte de alguns países da América Latina, em aderir ao projeto. O ISI enviou um representante e, supostamente, como conseqüência disso, a diretoria científica da FAPESP recebeu, no dia 15 deste mês de abril, uma equipe de quatro membros do ISI, incluindo a vice-presidente da instituição, para uma visita por eles solicitadas.

Iniciou-se a discussão de uma colaboração FAPESP/BIREME e ISI visando a compatibilização, integração e assessoria dentro dos programas SciELO e Web of Science . Nas palavras da Vice-Presidente do ISI, Barbara Colton, essa é a primeira oportunidade que a sua instituição se propõe a uma colaboração nesses moldes.

É claro que, se tiver sucesso, essa colaboração deve acelerar o alcance das metas propostas pelo projeto SciELO, isto é, visibilidade internacional do seu site e criação de uma base de dados nacional, agora ligada à base do ISI.

Rogerio Meneghini é professor do Departamento de Bioquímica da USP, diretor associado do Laboratório Nacional de Luz Síncrotron, coordenador do Projeto SciELO da FAPESP/BIREME

Republicar