guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Biologia

Anfíbios que inoculam veneno

Imagem de microscopia mostra glândulas produtoras de toxinas e dentes da cobra-cega

Mailho-Fontana, P. L. et al. Science. jul.2020

As cecílias ou cobras-cegas são animais peçonhentos, capazes de injetar veneno em suas presas, descobriram pesquisadores do Instituto Butantan. Com o corpo alongado como o de cobras e serpentes, que são répteis, as cobras-cegas são os primeiros anfíbios nos quais se encontraram glândulas de veneno na base dos dentes (iScience, 24 de julho). Outros anfíbios, como sapos, rãs e salamandras, têm na pele glândulas produtoras de toxinas. Elas, no entanto, servem para a defesa passiva, permitindo que se livrem de predadores que tentam abocanhá-los. O biólogo Pedro Luiz Mailho-Fontana, que faz estágio de pós-doutorado no Butantan, identificou as glândulas de peçonha das cobras-cegas ao estudar a espécie Siphonops annulatus, comum na América do Sul. “Estávamos analisando as glândulas de muco que o animal tem na pele da cabeça, para abrir caminho debaixo da terra, quando nos deparamos com essas estruturas”, disse o biólogo à Agência FAPESP. As glândulas de peçonha das cobras-cegas se desenvolvem a partir do mesmo tecido que gera os dentes, como ocorre nas serpentes.

Republicar