guia do novo coronavirus
Imprimir PDF Republicar

Biodiversidade

As duas espécies de matamatá

Universidade Norueguesa de Ciência e Tecnologia (NUST)

Nativa da Amazônia, a tartaruga de água doce matamatá chama a atenção pela aparência. Tem cabeça achatada e triangular, pescoço largo e narinas que parecem um snorkel. Imaginava-se que houvesse uma única espécie: Chelus fimbriata, descrita em 1783. Análises de características genéticas e morfológicas e de distribuição geográfica feitas agora por pesquisadores do Brasil, Colômbia, Alemanha e Reino Unido revelaram que são ao menos duas as espécies de matamatá: C. fimbriata e C. orinocensis (Molecular Phylogenetics and Evolution, julho). Ambas se alimentam de peixes, mas são ligeiramente diferentes e habitam regiões distintas. C. fimbriata tem a carapaça escura, mais retangular e ocupa as bacias dos rios Amazonas, no Brasil, e Mahury, na Guiana Francesa. Já a espécie C. orinocensis tem o dorso amarelado e vive nas bacias dos rios Orinoco, que corta a Colômbia e a Venezuela,  e do alto rio Negro, no Brasil. 

O site da revista Pesquisa FAPESP traz uma versão ampliada desta reportagem

Republicar