Guia Covid-19
Imprimir Republicar

ECOLOGIA

Carne de javaporco pode transmitir doenças

Mesmo processada, variedade selvagem de suíno carrega protozoários, bactérias e vírus

Javaporcos com filhotes: consumo da carne não é recomendável

Carlos Henrique Salvador

A carne de javaporco é consumida, principalmente na forma de churrasco, nas regiões Sul e Sudeste. O javaporco é um híbrido de javali com porco que pode chegar a 200 quilogramas (kg) ‒ todos são da espécie Sus scrofa. O consumo da carne dessa variedade selvagem de suíno assim como o contato com a saliva e o sangue do animal, porém, não são recomendáveis por causa da possibilidade de transmitir agentes causadores de doenças, verificada em estudos recentes.

Em 2013, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) permitiu o abate para controle populacional de javaporco, por se tratar de espécie exótica, mas a venda e a distribuição continuam proibidas. Entre 2019 e 2020, foram abatidos cerca de 100 mil animais e não há estimativa oficial da sua população no país.

Ferozes, com caninos grandes e encurvados, vivem em bandos, invadem plantações e as criações mais vulneráveis de porcos para consumo. Em matas, destroem a vegetação nativa, as nascentes e as margens dos rios. Até dezembro de 2018, o Ibama registrou javalis ou javaporcos em 1.536 dos 5.570 municípios brasileiros.

“Entre 19 caçadores no norte do estado de São Paulo, 16 disseram que consomem a carne, geralmente com suas famílias ou amigos, e três deles a preferem malpassada”, relata o veterinário Estevam Guilherme Hoppe, da Universidade Estadual Paulista (Unesp) de Jaboticabal, que investigou a visão dos caçadores sobre as possibilidades de transmissão de doenças pelo javaporco. Ele observou que os caçadores tinham alta escolaridade e renda: 84% conheciam a toxoplasmose e outras zoonoses e 64% reconheciam o risco de carne malpassada para a saúde. “Alguns são da capital, trazem a carne e a preparam na varanda gourmet de seus apartamentos em bairros nobres”, diz ele.

Ao analisar amostras de sangue dos animais abatidos na área rural das cidades de Barretos, Cajobi, Matão, Monte Azul Paulista e Morro Agudo, Hoppe verificou que 20 dos 26 javaporcos estavam infectados com Toxoplasma gondii, protozoário causador da toxoplasmose, segundo artigo publicado na revista Veterinary Parasitology em janeiro deste ano.

“A condição sanitária dos javaporcos no Brasil é pouco conhecida e sua expansão implica riscos ainda subestimados”, alerta a veterinária Virgínia Santiago Silva, da Embrapa Suínos e Aves, em Concórdia, Santa Catarina. “Esses animais vivem longe de qualquer supervisão humana, interagindo com animais selvagens, domésticos e pessoas.”

Silva, com sua equipe, detectou em javaporcos anticorpos contra patógenos causadores de doenças comuns em criações de suínos domésticos, como circovirus suíno tipo 2 e outros, causadores de doenças respiratórias, segundo artigo publicado na revista Transboundary and Emerging Diseases em julho do ano passado.

“Esses patógenos, por serem relativamente comuns, não representam uma ameaça sanitária significativa para a suinocultura ou para a saúde das pessoas”, diz o veterinário Diego Rodrigo Severo, da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) e um dos autores do artigo.

Os pesquisadores também identificaram anticorpos contra patógenos que podem ser transmitidos aos seres humanos, como o vírus da hepatite E. “A detecção de anticorpos significa que os patógenos circularam ou circulam entre os animais”, comenta Silva.

No Brasil, como a venda e a distribuição do produto do abate para controle da população de javaporcos não são permitidas, não existem diretrizes para o preparo da carne, como em outros países. Para evitar a toxoplasmose, por exemplo, Hoppe recomenda congelar a carne a -20 graus Celsius (ºC) por sete dias e não a consumir malpassada. As temperaturas atingidas ao assar peças grandes de carne, às vezes, não são suficientes para matar o parasita. O congelamento pode ajudar porque o frio também é letal para o patógeno que causa a doença.

Principalmente entre as pessoas que abatem os animais, as carnes menos nobres são usadas para produzir embutidos, como salame e linguiça, peças defumadas e salga (pedaços secos ao sol), cuja preparação pode eliminar alguns tipos de parasitas, mas não todos. “Salmonelas, bactérias associadas ao consumo de produtos de origem animal que causam infecções alimentares, podem ocorrer em carcaças e derivados de carne de javaporco cru e malpassada”, observa Silva. Para a inativação da bactéria, ela acrescenta, é preciso cozinhar a carne a 71 ºC.

Segundo a veterinária, outra preocupação é a triquinelose, doença causada por larvas do verme Trichinela sp. e transmitida pelo consumo de carne crua ou malcozida de animais, incluindo javaporcos. “Defumar, cozinhar no micro-ondas, salgar ou congelar a carne não garante a eliminação de larvas”, diz a pesquisadora.

Ela observou que os caçadores, ao manipular as carnes, raramente usam luvas, que poderiam protegê-los contra infecções por bactérias como Brucella sp., causadora da brucelose, e Leptospira spp., duas doenças que podem chegar às pessoas por meio do contato com ferimentos na pele com sangue e outros fluidos de animais infectados.

Os javaporcos se multiplicam em matas próximas a propriedades rurais, invadem as granjas e podem transmitir patógenos para animais de criação ao cruzarem com as porcas, algo possível por serem da mesma espécie. “Os efeitos do contato dessa população selvagem com os porcos domésticos são imprevisíveis”, alerta Silva.

Em Santa Catarina, o maior produtor nacional e exportador de carne suína, 123 dos 295 municípios do estado já registraram javaporcos, que, às vezes, chegam às centenas e destroem principalmente as plantações de milho, seu alimento favorito.

Richard Bartz/Wikimedia Um javali, ancestral selvagem do porco doméstico, em floresta na AlemanhaRichard Bartz/Wikimedia

A inteligência do porco
Exterminar populações inteiras de javaporcos é uma missão praticamente impossível, dada a velocidade com que procriam: até três vezes por ano com ninhadas que podem chegar a 10 filhotes. Para complicar, porcos em geral têm alta capacidade cognitiva e boa memória.

O biólogo Carlos Henrique Salvador, membro da Caipora Cooperativa para Conservação dos Recursos Naturais, de Florianópolis, Santa Catarina, conta que certa vez um javaporco macho portando um GPS colocado por pesquisadores percorreu 7 quilômetros, muito além de sua área de vida normal, em direção a uma criação de porcos. “Ele pode ter se lembrado de uma fêmea, por exemplo”, sugere.

Em 2017 e 2018, Salvador tentou eliminar uma população de javaporcos introduzidos ilegalmente numa ilha fluvial do Parque Estadual Fritz Palma, em Santa Catarina. As armadilhas capturaram 32 deles. “Nove animais mais velhos e mais espertos aprenderam a evitar a cilada. Foi o suficiente para recompor a população”, ele lamenta.

O ecólogo Felipe Pedrosa Chagas, da Mão na Mata, empresa especializada em javaporcos, adaptou armadilhas controladas remotamente e câmeras para driblar a inteligência dos animais, em pesquisa que teve apoio da FAPESP. Depois de identificar os animais de uma região com as câmeras, ele os induz a entrar em uma espécie de curral, onde é colocado milho.

“Deixamos os animais entrar e sair da armadilha, mas só fechamos a porta quando o grupo inteiro está lá adentro”, explica. Segundo ele, os javaporcos aprendem a evitar a armadilha quando veem seus familiares presos e guinchando lá dentro.

Estevam Guilherme Lux Hoppe/ Unesp Churrasco de javaporco em preparação: risco de contrair doenças, principalmente com a carne malpassadaEstevam Guilherme Lux Hoppe/ Unesp

O porco-monteiro e a raiva
Javaporco não é a única espécie de suíno selvagem que preocupa pesquisadores. Em 2020, o biólogo Francisco Grotta-Neto, da Universidade Federal do Paraná (UFPR), flagrou o morcego-vampiro (Desmodus rotundus) sugando sangue de porcos-monteiros em uma fazenda de Mato Grosso. Monteiro é uma variedade resultante da fuga de porcos domésticos que se tornaram selvagens nos séculos XVIII e XIX e vivem no Pantanal. Ele se inquietou porque, como os javaporcos, esses animais também são caçados e servem como alimento na região.

O morcego-vampiro é uma entre as três espécies hematófogas (se alimentam de sangue) das mais de 1.200 espécies de morcego – e é um potencial reservatório do Lyssavirus, patógeno causador da raiva. Se o morcego estiver contaminado, o vírus da raiva pode passar para o porco-monteiro e depois para os caçadores e seus cachorros.

Durante a caça, os cachorros localizam e imobilizam a presa, e os caçadores usam faca ou arma de fogo para abatê-la. “Se feridos por um porco que carrega o vírus, cachorros e caçadores poderiam ser contaminados. Os cachorros da região em que pesquisei estão visivelmente machucados e com diversas cicatrizes”, observou Grotta-Neto. Os caçadores não matam todos os animais que encontram. Alguns eles castram, para que engordem, e cortam uma orelha para reconhecê-los mais tarde, em outra caçada, quando os abatem já mais corpulentos e com a carne provavelmente mais macia.

Segundo Grotta-Neto, o corte de uma orelha poderia atrair morcegos e facilitar a transmissão do vírus da raiva. “Os dois exemplares de porco-monteiro fotografados durante o ataque dos morcegos estavam com as orelhas feridas”, conta ele. As observações, parte do mestrado de Grotta-Neto, apoiado pela FAPESP, foram publicadas na revista Austral Ecology em abril deste ano.

A transmissão do vírus da raiva pelo porco-monteiro ainda é uma hipótese, mas, para evitar maiores problemas, Grotta-Neto sugere aos caçadores usar luvas para evitar contato com a saliva dos porcos, manter os cachorros vacinados e observar neles eventuais sinais de raiva, como agressividade e salivação intensa.

Capivaras urbanas e noturnas

Eduardo Cesar Capivaras como esta, da capital paulista, saem mais à noite que as que vivem em matasEduardo Cesar

Com alta resistência a poluentes e a doenças, a capivara (Hydrochoerus hydrochaeris), outro animal silvestre, adaptou-se a locais improváveis, como o poluído rio Pinheiros, na capital paulista, e vive bem até em uma estação de coleta de esgoto na cidade de Americana, interior do estado. Ao se instalarem em espaços diferentes de seus ambientes naturais, elas adquirem novos hábitos, de acordo com um estudo publicado em janeiro na revista Journal of Mammalogy.

Principal autora desse trabalho, a bióloga Beatriz Lopes, que faz mestrado na Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo (Esalq-USP) com apoio da FAPESP, verificou que capivaras de seis municípios paulistas, incluindo a capital, vivem em áreas duas vezes menor que as capivaras pantaneiras, que ela também examinou, e são mais ativas antes do nascer do sol, entre 4 e 5 horas da manhã, e depois do pôr do sol, até cerca de 9 horas da noite, com maior risco de sofrerem ou causarem acidentes quando cruzam ruas ou estradas. Diferentemente delas, as pantaneiras costumam se movimentar mais em horários próximos ao do nascer e pôr do sol, quando o dia está claro.

As capivaras urbanas vivem em grupos mais coesos, que favorecem a circulação do carrapato-estrela, ou micuim, transmissor da bactéria da febre maculosa para outros animais — e para o ser humano. Por essa razão, recomenda a pesquisadora, deve-se restringir o acesso às áreas ocupadas por capivaras ou pôr placas de alerta sobre o risco de transmissão. “O diagnóstico precoce da febre maculosa é fundamental para o tratamento.”

“Existem dois antibióticos eficazes contra a doença, mas eles são pouco usados e não estão disponíveis em todos os hospitais. Algumas pessoas morrem porque o problema demora a ser identificado, impedindo o tratamento precoce com o antibiótico”, alerta o veterinário Marcelo Labruna, da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP (FMVZ-USP), pesquisador responsável pelo projeto apoiado pela FAPESP sobre as capivaras e suas relações com a febre maculosa.

Projetos
1. Toxoplasmose em javalis (Sus scrofa) ferais no estado de São Paulo (no 18/23922-4); Modalidade Bolsa de Mestrado; Pesquisador responsável Estevam Guilherme Lux Hoppe (UNESP); Bolsista Dália Monique Ribeiro Machado; Investimento R$ 28.626,34.
2. Os veados-cinza do Brasil (Mammalia: Cervidae: Mazama): A busca das variantes genéticas, morfológicas e ecológicas no sentido de explicar a complexa taxonomia e evolução do grupo (no 10/50748-3); Modalidade Projeto Temático; Pesquisador responsável José Maurício Barbantini Duarte (UNESP); Investimento R$ 1.090.483,16.
3. Capivaras, carrapatos e febre maculosa (no 13/18046-7); Modalidade Projeto Temático; Pesquisador responsável Marcelo Bahia Labruna (USP); Investimento R$ 2.577.794,95.
4. Ecologia espacial de capivaras e onças-pardas em paisagens antropizadas (no 19/10005-6); Modalidade Bolsa de Mestrado; Pesquisador responsável Katia Maria Paschoaletto Micchi de Barros Ferraz (USP); Bolsista Beatriz Lopes; Investimento R$ 40.139,88.

Artigos científicos
LOPES, B. et al. Human-modified landscapes alter home range and movement patterns of capybaras. Journal of Mammalogy. 29 jan. 2021. No prelo.
GROTTA-NETO, F. et al. Hunting practices of feral pigs (Sus scrofa) and predation by vampire bats (Desmodus rotundus) as a potential route of rabies in the Brazilian Pantanal. Austral Ecology. 6 mar. 2021. No prelo.
MACHADO, D. M. R. et al. Toxoplasma gondii infection in wild boars (Sus scrofa) from the State of São Paulo, Brazil: Serology, molecular characterization, and hunter’s perception on toxoplasmosis. Veterinary Parasitology. v. 23, 100534. jan. 2021.
SEVERO, D. R. T. et al. Health profile of free-range wild boar (Sus scrofa) subpopulations hunted in Santa Catarina State, Brazil. Transboundary and Emerging Diseases. 2020;00. p 1-13. 29 jul. 2020.

Republicar