Guia Covid-19
Imprimir PDF Republicar

boas práticas

Cerco ao comércio de trabalhos acadêmicos

“Fábricas de ensaios” podem se tornar ilegais no Reino Unido, em estratégia para combater fraudes disseminadas no ensino remoto

ilbusca / iStock / Getty Images

O governo do Reino Unido propôs uma reforma na legislação educacional que, se for aprovada, tornará ilícita a venda de trabalhos acadêmicos. A Câmara dos Comuns começou a discutir em outubro uma nova regulação para as instituições de ensino superior, com o objetivo de garantir formação de alta qualidade a profissionais em áreas consideradas estratégicas, como engenharia, energias limpas e manufatura. Um dos dispositivos do projeto propõe transformar em crime as atividades das chamadas “fábricas de ensaios”. São sites da internet que, em troca de dinheiro, produzem trabalhos encomendados por estudantes, comprometendo, assim, a integridade do processo de avaliação de desempenho acadêmico. “Essas empresas são completamente antiéticas. Depreciam o esforço realizado pela maioria dos alunos e ainda lucram com isso”, afirmou à BBC Alex Burghart, subsecretário de Estado para Aprendizagem e Competências, subordinado ao Departamento de Educação do Reino Unido.

A detecção desse tipo de fraude é difícil. Muitos serviços oferecem garantias de que os trabalhos são bem escritos e imunes aos softwares antiplágio, mas, quando o embuste é identificado pelos professores, os estudantes são punidos. Já as fábricas de ensaios não sofriam nenhuma consequência no Reino Unido, dada a ausência de legislação sobre seu funcionamento.

Durante a pandemia, as universidades investiram na supervisão remota das provas on-line. Muitas contrataram serviços de empresas especializadas em monitorar estudantes durante a realização de exames, bloqueando seus navegadores da internet e vigiando-os pelas câmeras de seus notebooks. Mas há evidências de que a cola ganhou espaço com a migração do ensino presencial para o on-line e que as opções para trapacear ficaram mais numerosas. A Agência de Garantia de Qualidade para a Educação Superior, um órgão fiscalizador das universidades do Reino Unido, contabilizou 932 fábricas de ensaios em operação atualmente, ante 638 em 2018. Um levantamento recente feito pelo jornal Financial Times mostrou que um trabalho de história de mil palavras encomendado por um aluno de graduação sai por £ 124, o equivalente a pouco menos de mil reais,  e demora uma semana para ficar pronto. Já uma dissertação de mestrado com 15 mil palavras é cotada a £ 4 mil, o equivalente a R$ 30 mil – é preciso, nesse caso, fazer a encomenda com dois meses de antecedência. Segundo o diário, já houve casos de sites que chantagearam estudantes, ameaçando denunciá-los aos professores, por causa de atrasos no pagamento.

Se não há dúvida sobre o caráter fraudulento das fábricas de ensaios, outros serviços on-line de apoio a estudantes atuam na fronteira entre a mentoria personalizada e a cola sob encomenda. Aplicativos como os das empresas Chegg e Course Hero, sediadas na Califórnia, oferecem assinaturas mensais de US$ 10 a US$ 20 que dão aos estudantes acesso a soluções de milhões de questões de provas e de livros didáticos armazenados em seus bancos de dados, além de oferecer suporte para o dever de casa.

Os usuários podem pedir ajuda para resolver problemas a especialistas com pós-graduação em matemática, ciências, engenharia, entre outras disciplinas. Só a Chegg mobiliza uma rede de 70 mil profissionais freelancers sediados na Índia. Eles se dividem em turnos, tornando o serviço on-line disponível ininterruptamente, e fornecem o resultado e a resolução de questões apresentadas pelos assinantes às vezes em menos de 15 minutos – tempo curto o suficiente para fraudar provas realizadas remotamente. A empresa conta com 4,9 milhões de assinantes e teve receitas de US$ 198 milhões no último trimestre. “A trapaça agora é terceirizada internacionalmente, envolve empresas de bilhões de dólares e é impulsionada por capitalistas de risco e investidores de Wall Street”, escreveu Karen Symms Gallagher, especialista em educação on-line da Universidade do Sul da Califórnia, nos Estados Unidos, em um artigo publicado em outubro no jornal Los Angeles Times. “Esse tipo de fraude não corrompe apenas o indivíduo de má-fé. Também corrói a fé em nosso sistema educacional, nos alunos honestos e nos profissionais de quem dependemos para criar tecnologias que realmente sirvam à interação humana e à boa tomada de decisões”, sustenta a professora.

Um levantamento feito por pesquisadores do Imperial College London, publicado no International Journal for Educational Integrity, analisou o número de pedidos submetidos ao Chegg em cinco áreas do conhecimento (ciência da computação, engenharia mecânica, engenharia elétrica, física e química) e comparou dois momentos: entre abril e agosto de 2019 e o mesmo período em 2020. Observou-se um aumento no volume de pedidos de 196%. Não foi possível avaliar quantas dessas solicitações vieram do Reino Unido, mas os resultados foram usados na exposição de motivos na reforma da legislação. “Os alunos foram forçados a estudar remotamente durante a pandemia, longe do bem-estar e do apoio do campus. Muitos ficaram desesperados e os serviços fraudulentos procuraram tirar proveito disso”, disse Chris Skidmore, ministro das universidades do Reino Unido entre 2019 e 2020, ao jornal The Guardian.

Na avaliação de Karen Gallagher, proibir o funcionamento das fábricas de ensaios, como se propõe no Reino Unido, pode ajudar a contê-las. Ela menciona o exemplo da Austrália, que baniu essas empresas em 2019 e obteve bons resultados, mas afirma que medidas complementares podem ser necessárias. “Empresas de meios de pagamento como Visa e PayPal deveriam parar de atuar como intermediárias entre os serviços fraudulentos e os estudantes”, sugere.

A empresa britânica de serviços educacionais Pearson publicou em outubro um relatório sobre a prevalência de trapaças em trabalhos de estudantes em que faz recomendações para as universidades. O documento cita uma pesquisa com 7 mil alunos de graduação de vários países em 2020, na qual 30% diziam não confiar em sua capacidade de produzir trabalhos com a qualidade exigida pelos professores. A Pearson sugere que as instituições ofereçam mais suporte técnico e emocional para estudantes em dificuldades e ampliem as atividades de mentoria para desenvolver trabalhos acadêmicos, em geral disponíveis apenas em dias úteis e em horários que os alunos precisam assistir às aulas.

Republicar