Guia Covid-19
Imprimir PDF Republicar

Infraestrutura

Exame vocacional

O perfil de cada laboratório público define a intensidade de sua produção científica e tecnológica

Alexandre Affonso

Laboratórios públicos ligados a universidades, com equipes formadas predominantemente por estudantes de pós-graduação, tendem a produzir mais artigos científicos, enquanto instalações estabelecidas fora do ambiente universitário, com times compostos sobretudo por técnicos, depositam mais pedidos de patentes. A conclusão é de pesquisadores da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (Fearp-USP), que analisaram centenas de laboratórios do país e mapearam sua produção científica e tecnológica. “O objetivo foi tentar compreender como diferentes modelos de laboratórios estavam relacionados à produtividade científica e tecnológica”, explica Alexandre Dias, um dos autores do estudo apresentando os resultados, publicado em dezembro na Economics of Innovation and New Technology.

Dias iniciou suas análises no doutorado, concluído em 2017 sob orientação do economista Sérgio Kannebley Júnior, da Fearp-USP. Os pesquisadores se basearam em dados produzidos a partir de um estudo realizado pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) em 2014 acerca de 1.760 laboratórios atuando nas áreas de engenharias, ciências exatas e da Terra, biológicas, agrícolas, da saúde e multidisciplinares. À época, o estudo do Ipea verificou que a infraestrutura de pesquisa no Brasil era majoritariamente formada por pequenos laboratórios ligados a universidades, nos quais trabalham, em média, quatro pesquisadores. O modelo vai na contramão de países com sistemas de ciência, tecnologia e inovação (CT&I) consolidados e que investem em grandes laboratórios franqueados a múltiplos pesquisadores.

Dias e Kannebley selecionaram 1.412 desses laboratórios e analisaram uma série de informações que haviam sido levantadas pelo Ipea a partir de um questionário enviado aos seus coordenadores. O levantamento reuniu dados sobre o valor estimado da infraestrutura física dos laboratórios e de seus equipamentos, a composição de suas equipes, os vínculos de cooperação, as atividades realizadas, os custos operacionais, as fontes de recursos, entre outros. Com isso, os pesquisadores distinguiram os laboratórios em cinco categorias distintas. Em seguida, cruzaram as informações coletadas com dados de publicações e patentes dos pesquisadores vinculados aos laboratórios avaliados. Para isso, recorreram à plataforma Lattes, da qual extraíram informações sobre a produção científica e tecnológica deles.

Verificaram que laboratórios como o de Malacologia e Ecologia de Bentos da Universidade Federal da Bahia (UFBA) tiveram um desempenho científico quase três vezes superior ao de laboratórios como a Unidade Laboratorial de Referência de Análises Físicas, Sensoriais e Estatística do Instituto de Tecnologia de Alimentos (Ital), em Campinas. Ao analisar a intensidade de patenteamento, porém, os polos se inverteram. “Os laboratórios ligados a institutos de pesquisa, fora do ambiente universitário e com equipes formadas sobretudo por técnicos, depositaram mais pedidos de patentes”, destaca Kannebley.

A exceção ficou com os laboratórios que, embora vinculados a universidades, se dedicam a atividades de pesquisa e desenvolvimento tecnológico e que mantêm colaborações com empresas: além de mais produtivos cientificamente, foram os que mais depositaram pedidos de patentes dentre os 948 laboratórios universitários avaliados. Um exemplo é o Unisim, da Faculdade de Engenharia Mecânica da Universidade Estadual de Campinas (FEM-Unicamp), com foco na área de simulações numéricas e gerenciamento de reservatórios de petróleo. “O fato de esses laboratórios investirem em pesquisa e desenvolvimento tecnológico e colaborarem com a indústria foi determinante para que tivessem um bom desempenho na intensidade de patenteamento”, esclarece Dias.

Na avaliação dos autores, os resultados do estudo ressaltam a necessidade de se intensificar os mecanismos de interação entre ciência e tecnologia nos laboratórios públicos brasileiros. Isso envolveria uma mudança nos critérios de avaliação docente adotados no Brasil. “Há muito esses instrumentos priorizam a produção científica, de modo que os pesquisadores acabaram se adequando a essa exigência”, avalia Dias. “Para mudar essa cultura, seria preciso, entre outras coisas, reequilibrar os critérios de avaliação, intensificando a importância do desenvolvimento tecnológico e da interação com o setor privado.” Segundo ele, os achados também reforçam a ideia de que é preciso investir mais nas infraestruturas de pesquisa no Brasil, com foco e prioridade, de modo a dotar o sistema de CT&I com laboratórios robustos e atualizados, permitindo, também, o trabalho integrado com a indústria.

Para a economista Fernanda De Negri, do Ipea, uma das autoras do levantamento sobre a infraestrutura de pesquisa do Brasil publicado em 2016, o investimento em laboratórios de grande porte é essencial para dar lastro a trabalhos na fronteira do conhecimento. “Não parece razoável supor que um pesquisador, por melhor que seja, conseguirá fazer pesquisa de ponta em laboratórios pequenos, com equipamentos obsoletos e equipes enxutas e pouco diversas.”

Na sua avaliação, o investimento na construção de grandes laboratórios compartilhados, com acesso a equipamentos modernos para múltiplos usuários, poderia ajudar a alavancar a produção científica nacional. “O Brasil dispõe de poucas instituições desse tipo. Um dos principais exemplos é o Laboratório Nacional de Luz Síncroton, do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais [CNPEM]”, diz. “Para mudar esse cenário, é preciso planejamento coordenado pelo setor público em parceria com empresas e comunidade científica, que poderia ajudar a mapear áreas nas quais o país já é competitivo internacionalmente e que poderiam se beneficiar mais desses grandes laboratórios.”

Projeto
Produtividade científica e tecnológica das infraestruturas de pesquisa brasileiras (nº 15/13816-4); Modalidade Auxílio à Pesquisa – Regular; Pesquisador responsável Sérgio Kannebley Júnior (USP); Investimento R$ 83.780,96.

Artigo científico
Dias, A. A. e Junior, S. K. Scientific productivity and patenting at the laboratory level: An analysis of Brazilian public research laboratories. Economics of Innovation and New Technology. dez. 2019.

Republicar