Prêmio CBMM
Imprimir Republicar

Galeria de imagens

Longe da escola

Um dos efeitos da epidemia de Covid-19 em 2020 foi o esvaziamento das escolas. De um momento a outro, professores e estudantes precisaram encontrar maneiras de se comunicar por meios virtuais – isso, quando o ensino não deixou de acontecer. Encontros ao ar livre, praticados em outros momentos da história, não estão ao alcance da maior parte dos estabelecimentos. É principalmente o caso da rede pública, que se viu sem condições sanitárias de funcionar com segurança para evitar a transmissão do vírus, enquanto escolas particulares ensaiaram um retorno gradual nos últimos meses do ano.

Os danos desse longo afastamento incluem evasão escolar, prejuízos no aprendizado, danos psicológicos, aprofundamento das desigualdades sociais, exposição das crianças à violência doméstica e aumento da insegurança alimentar. Com base nisso, em 12 de janeiro o Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) divulgou uma carta em que pede prioridade à retomada das aulas presenciais. “Se as crianças precisarem enfrentar outro ano de fechamento de escolas, os efeitos serão sentidos por gerações”, conclui. Em vários países, o planejamento do retorno envolve medidas de distanciamento e de higiene.

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) também ressaltou os danos à educação, com a América do Sul e Central liderando no tempo de fechamento – completo ou parcial – das escolas devido à pandemia. No Brasil foram 40 semanas, até janeiro.

Para o ano letivo de 2021, o estado de São Paulo determinou a volta às escolas em fevereiro. De acordo com resolução de 14 de janeiro do Conselho Estadual de Educação, pelo menos um terço das atividades deveria ser presencial e obrigatória nas escolas públicas e privadas do estado – embora as cidades que dispõem de conselhos municipais tenham autonomia para decidir sobre a reabertura. Em 22/1 o governo fez alterações, levando em conta o estado da pandemia, que se agravou: a presença na escola deixa de ser obrigatória nas fases vermelha e laranja do Plano São Paulo de reabertura (caso da capital paulista, classificada como laranja durante os dias da semana e vermelha após as 20h e aos fins de semana).

A presença é limitada a 35% dos estudantes matriculados no início das aulas e nas regiões que estejam classificadas na fase vermelha ou laranja. A frequência permitida sobe para 70% na fase amarela e 100% na fase verde, quando tudo pode funcionar normalmente.

A solidão das escolas vazias e os cuidados do retorno estão registrados neste ensaio de Léo Ramos Chaves.

Republicar