Guia Covid-19
Imprimir PDF Republicar

Atmosfera

Maior ameaça à saúde global

Editorial publicado em mais de 200 revistas médicas aponta os riscos de não se combater as mudanças climáticas

Idosa russa enfrenta onda de calor em Moscou durante a pandemia

Sergei Fadeichev / TASS via Getty Images

Mais de 200 periódicos científicos da área médica, entre os quais as revistas The Lancet, The New England Journal of Medicine e PLOS Medicine, publicaram simultaneamente em 6 de setembro um editorial que aponta os riscos sanitários decorrentes do avanço do aquecimento global e da perda progressiva de biodiversidade. “A maior ameaça à saúde pública global é o fracasso contínuo dos líderes mundiais em manter o aumento da temperatura global abaixo de 1,5 grau Celsius (°C) e restaurar a natureza. Mudanças urgentes em toda a sociedade devem ser feitas e levarão a um mundo mais justo e saudável. Nós, como editores de revistas de saúde, fazemos um apelo aos governantes e outros líderes para agirem, marcando 2021 como o ano em que o mundo finalmente muda de rumo”, afirmam os 19 autores do texto.

Editor-chefe da Revista de Saúde Pública, onde o comentário também foi publicado, o epidemiologista Carlos Augusto Monteiro, da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (FSP-USP), é um dos signatários do editorial. “As mudanças climáticas e a perda da biodiversidade vão gerar mais deslocamentos forçados de populações e aumentar os conflitos, a insegurança alimentar e as doenças zoonóticas, como é o caso da Covid-19”, diz Monteiro. O editorial destaca que desde 1981 o aquecimento global contribuiu para o declínio da produtividade dos principais cultivos entre 1,8 e 5,6%. O texto exorta os governos a se unirem, como ocorre no combate à pandemia atual, para frear o aquecimento global e a destruição da natureza, e afirma que os países de alta renda devem ampliar seu compromisso, ainda pendente, de investir ao menos US$ 100 bilhões por ano para o combate às mudanças climáticas.

Firmado em dezembro de 2015, o Acordo de Paris estabeleceu como meta geral para os quase 200 países que assinaram esse tratado internacional reduzir as emissões de gases de efeito estufa e, assim, limitar o aumento do aquecimento global a 1,5 ºC ou, na pior hipótese, a 2 ºC em relação aos níveis pré-industriais, de meados do século XIX. Mas, de acordo com dados do mais recente relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), divulgado em agosto passado, o limite de 1,5 ºC deverá ser ultrapassado na próxima década. Segundo o editorial, os riscos à saúde de uma elevação superior a 1,5 °C na temperatura do planeta são claros e conhecidos.

Nos últimos 20 anos, a mortalidade relacionada aos efeitos de ondas de calor entre pessoas com mais de 65 anos elevou-se em mais de 50%, destaca o texto. As temperaturas mais altas provocaram aumento da desidratação e perda da função renal, cânceres de pele, infecções tropicais, distúrbios mentais, complicações na gravidez, alergias e óbitos e doenças relacionadas a problemas cardiovasculares e pulmonares. “Os danos afetam desproporcionalmente os mais vulneráveis, inclusive crianças, populações mais velhas, minorias étnicas, comunidades mais pobres e pessoas com problemas de saúde subjacentes”, escrevem os pesquisadores no editorial.

Republicar