guia do novo coronavirus
Imprimir Republish

Covid-19

Menos medo na cadeira do dentista

Dispositivo criado por empresa de São José dos Campos ajuda a prevenir a contaminação pelo novo coronavírus em clínicas odontológicas

Caneta odontológica de ultrassom com extremidade revestida com a película de silicone Spray Control

CVDentus

A pandemia causada pelo Sars-CoV-2, vírus causador da Covid-19, teve forte impacto nos consultórios odontológicos. Muitos procedimentos executados pelos dentistas produzem gotículas e aerossóis que podem conter o microrganismo, colocando em risco a saúde de profissionais e pacientes. Essas partículas, geradas principalmente durante o uso dos temidos motorzinhos – tecnicamente chamados de canetas de alta rotação –, permanecem por longos períodos em suspensão, podendo depositar-se em superfícies do ambiente ou entrar em contato com o trato respiratório do dentista e de outros pacientes.

Na tentativa de contornar essa situação e proporcionar maior segurança aos tratamentos odontológicos em tempos de pandemia, a empresa CVDVale, detentora da marca CVDentus, especializada em soluções tecnológicas para cirurgiões-dentistas, desenvolveu um dispositivo para minimizar a disseminação de gotículas e aerossóis. Trata-se de uma pequena capa de silicone, batizada de Spray Control, que ao ser encaixada na ponta da caneta de ultrassom reduz quase completamente a geração de partículas.

“A [caneta de] alta rotação é o aparelho tradicional usado nos tratamentos dentários, porém o ultrassom piezoelétrico vem ganhando destaque devido a suas vantagens. Ele é mais conhecido por realizar profilaxia – a limpeza nos dentes –, mas com a tecnologia que criamos associada ao nosso diamante CVD podemos atender todas as especialidades clínicas e também a cirúrgica”, esclarece Bianca Uehara Trava, da área de pesquisa e desenvolvimento (P&D) da CVDentus. Para desenvolver sua linha de brocas e insertos odontológicas com ponta recoberta por diamante sintético, a CVDVale, com sede em São José dos Campos, contou com apoio da FAPESP.

CVDentus Aparelhos de alta rotação (à esq.) e de ultrassom: o uso de uma barreira de proteção (à dir.) reduz a dispersão de gotículas e aerossóisCVDentus

Estudo liderado por pesquisadores do Laboratório de Microbiologia da Faculdade de Medicina e Odontologia São Leopoldo Mandic, de Campinas (SP), mostrou que o controlador de spray da CVDentus, quando acoplado ao ultrassom, diminui em até 99,9% a dispersão de aerossol em relação à caneta de alta rotação sem ele. Comparando a caneta de ultrassom convencional com outra envolvida com a película Spray Control, a redução na difusão de partículas é de até 97,8%, segundo o trabalho, coordenado pelos dentistas Victor Montalli e Aguinaldo Garcez.

“O Spray Control foi desenvolvido para os produtos da CVDentus, pois cada marca tem características e dimensões diferentes”, diz Trava. De acordo com ela, o dispositivo não interfere no desempenho do equipamento e das pontas, é composto por material seguro e biocompatível e pode ser esterilizado em autoclave, o aparelho usado para limpeza diária de equipamentos odontológicos.

Projetos
1. Equipamentos de ultrassom para cirurgia óssea com pontas de diamante CVD (nº 13/50791-4); Modalidade Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (Pipe); Pesquisador responsável João Henrique do Prado (Clorovale); Investimento R$ 1.121.524,8.
2. Desenvolvimento de dispositivos em diamante CVD para aplicações de curto Prazo (nº 97/07227-6); Modalidade Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (Pipe); Pesquisadora responsável Kiyoe Umeda (Clorovale); Investimento R$ 449.162,93.

Republish