TECNOCIÊNCIA

Print Friendly

Um mapa nacional das grandes tempestades de granizo

ED. 250 | DEZEMBRO 2016

 

O interior do Rio Grande do Sul é um dos lugares mais afetados pelo fenômeno

O interior do Rio Grande do Sul é um dos lugares mais afetados pelo fenômeno

Quem mora na região Sul do país deve ficar de olho no tempo nos finais de tarde de setembro e outubro e se preparar para os sérios transtornos causados pelas tempestades. É nesse período do dia, em especial no início da primavera, que ocorrem as mais destruidoras chuvas de granizo no Brasil, aquelas que costumam causar danos a plantações, criações e construções e deixam pessoas desabrigadas. Elas atingem principalmente as regiões oeste e central e também a faixa litorânea, do Rio Grande do Sul, de Santa Catarina e do Paraná. Essa conclusão integra um mapeamento nacional das tempestades de granizo mais destrutivas (Atmospheric Research, 21 de outubro). No trabalho, pesquisadores do Instituto Federal do Paraná (IFPR) e da Universidade de São Paulo (USP), em parceria com colegas da agência espacial norte-americana (Nasa), fizeram o levantamento das tempestades de granizo registradas pela Defesa Civil nacional de 1999 a 2012. Eles identificaram 1.630 tempestades e analisaram a distribuição de 732 sobre as quais havia informações detalhadas, como horário do dia, local em que ocorreram e a dimensão dos estragos. O registro in loco é importante para corroborar os mapeamentos feitos por satélite e corrigir os modelos de previsão climática. O mapa confirma que o Sul é uma das regiões do planeta com mais tempestades intensas de granizo.


Matérias relacionadas

SOS CHUVA
Aplicativo indica a intensidade e os lugares onde chove em tempo real em SP
MARIA DE FÁTIMA ANDRADE
Poluição do ar na cidade de São Paulo diminuiu nos últimos 30 anos
PESQUISA BRASIL
Sapo surdo, qualidade do ar, galhas no pampa gaúcho e acesso aberto