NOTAS

Print Friendly

Síndrome metabólica avança em Marajó

ED. 251 | JANEIRO 2017

 

Viajantes em porto na ilha de Marajó: hábitos alimentares das regiões industrializadas estão se disseminando pelo Norte

Viajantes em porto na ilha de Marajó: hábitos alimentares das regiões industrializadas estão se disseminando pelo Norte

Os hábitos alimentares das regiões mais industrializadas do país e suas consequências para a saúde estão se disseminando pelo interior da Amazônia. Um em cada três moradores de quatro cidades da Ilha de Marajó, região rural no norte do Pará, já apresenta alterações metabólicas que aumentam o risco de doenças cardiovasculares e de morte precoce. De 2012 a 2013, os pesquisadores Sérgio França, Sandra Lima e José Ricardo Vieira, todos da Universidade Federal do Pará (UFPA), mediram o peso e a altura e realizaram exames de sangue em 787 adultos dessas localidades. Em média, 34,1% dos participantes (proporção superior à média nacional, de 29%) haviam desenvolvido a chamada síndrome metabólica, definida pela presença de três destes cinco sinais clínicos: pressão alta; glicemia em jejum elevada; circunferência da cintura superior a 80 centímetros (cm) para mulheres e 90 cm para homens; níveis baixos de colesterol HDL; e níveis elevados de triglicerídeos. Associada ao consumo excessivo de alimentos processados, a síndrome se manifestou mais cedo nas mulheres. Entre 40 e 49 anos de idade, 46% delas apresentavam a alteração, identificada em 43% dos homens na faixa etária dos 50 aos 59 (PLOS ONE, 9 de dezembro).


Matérias relacionadas

SAÚDE
Os impactos da má alimentação de crianças e adolescentes
CAPA
Pesquisas nacionais alertam para níveis elevados de excesso de peso em jovens
CAPA
Desnutrição nos primeiros anos de vida provoca problemas de saúde em adultos
CAPA
Ácidos graxos insaturados talvez possam reverter danos ao cérebro de obesos