Imprimir PDF

Cardiologia

Incor amplia área de laboratórios

Mudança no espaço físico terá reflexos imediatos nas pesquisas aplicadas

MIGUEL BOYAYANO Laboratório de Cardiologia Molecular analisa os genes responsáveis pela hipertensão arterialMIGUEL BOYAYAN

O Instituto do Coração (Incor), da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), está ampliando suas áreas de pesquisa. Os laboratórios de Genética e Cardiologia Molecular, Imunologia e Biologia Vascular já estão operando, desde o início deste ano, nos dois últimos andares do novo prédio do Incor, numa área total de 2.400 metros quadrados. O laboratório de Bioengenharia vai ocupar, em breve, uma área de 1.800 m2 no mesmo prédio.

O Incor investe, anualmente, cerca de R$ 15 milhões em pesquisa, sem considerar os gastos com infra-estrutura, que, no caso dos novos laboratórios, somaram algo em torno de R$ 4 milhões. “Um hospital universitário não pode só prestar assistência médica. Tem obrigação de desenvolver a pesquisa aplicada em benefício dos próprios pacientes”, justifica o diretor do instituto, José Antonio Ramires.

Desde o início da década de 80, o Instituto do Coração desenvolve pesquisas de ponta voltadas para doença cardiovasculares. No início, as principais áreas de investigação eram as de bioengenharia e imunologia, em razão das necessidades de aprimoramento das tecnologias de transplantes. “Hoje a pesquisa é ampla. A genética molecular, com seus aplicativos em cardiologia, é um instrumento do nosso dia-a-dia”, afirma Ramires. Seus laboratórios estão realizando, por exemplo, o mapeamento dos genes responsáveis pela hipertensão arterial, desenvolvendo uma vacina contra a febre reumática e, ainda, estudando a enzima responsável pelo estresse vascular.

O Incor atende 250 mil pacientes anualmente e é considerado o maior hospital da América Latina. Realiza uma média de 3.800 cirurgias e 11 mil cateterismos por ano. As áreas originais ocupadas pelos laboratórios tornaram-se incompatíveis com as novas demandas da pesquisa, e o projeto de construção do novo prédio, inaugurado em agosto de 2000, foi redimensionado de forma a permitir a ampliação da investigação científica.

O Laboratório de Genética e Cardiologia Molecular, por exemplo, deixou um pequeno espaço no Hemocentro para ocupar todo o 10º andar do prédio novo. De acordo com o diretor do Incor, o Laboratório de Genética e Cardiologia Molecular foi projetado para atender às necessidades de desenvolvimento de terapêutica genética nos próximos 15 anos.

O projeto arquitetônico inspirou-se no modelo utilizado por laboratórios da Universidade Harvard, em Boston: as salas dos pesquisadores principais, administração, salas de reuniões e estações de trabalho estão dispostas em torno de áreas de uso comum, onde estão localizados os seqüenciadores de genes, setor de bacteriologia, material radioativo, entre outros, e um grande laboratório de pesquisa. Na entrada deste laboratório, foi construída uma área, batizada de “hall das idéias”, equipada com lousa e banquetas estampadas com motivos que imitam as bases nitrogenadas de DNA, utilizada por pesquisadores para a apresentação e debates de seus projetos.

Também está previsto espaço para instalar dois módulos de trabalho, com laboratórios específicos, nos quais serão desenvolvidas pesquisas de vetores virais e expressão genômica, e quatro salas para fisiologia humana, equipadas com ecocardiógrafo para a observação da função cardíaca. “Contamos ainda com o apoio de um grupo de bioinformática”, acrescenta José Eduardo Krieger, diretor. Os equipamentos, de última geração, foram adquiridos com o apoio da FAPESP, da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e uma pequena participação da indústria farmacêutica.

O laboratório tem como foco principal de pesquisa o mapeamento dos genes responsáveis pela hipertensão arterial. Krieger explica que o objetivo é entender o funcionamento do sistema de controle da pressão, observando o comportamento da enzima conversora da angiotensina (ECA) – que funciona como um marcador de doenças em ratos e que parece ter o mesmo papel em seres humanos -, sua importância biológica e a sua variação genética na população (ver Pesquisa FAPESP nº 69).

Com a ampliação do espaço de pesquisa, o laboratório deverá intensificar a utilização de terapia gênica e celular em problemas cardiovasculares, já realizada com animais e que, em breve, segundo Krieger, será testada em seres humanos. Também serão ampliadas as análises de genes candidatos, identificados como principais suspeitos nas doenças vasculares. “Com os resultados do Projeto Genoma, é possível procurar variantes do gene e realizar estudos de associação e, ao mesmo tempo, desenvolver estudos sobre o comportamento da população”, diz Krieger. Em parceria com a Universidade Federal do Espírito Santo, o laboratório está iniciando estudos sobre genes candidatos numa população de 1.600 habitantes da cidade de Vitória.

Imunologia
O Laboratório de Imunologia, criado em 1985, dividia espaço com o Instituto de Medicina Tropical, até ser transferido para o 9º andar do novo prédio do Incor, numa área de 850 metros quadrados. Desde o início, suas atividades estiveram ligadas ao estudo da histocompatibilidade para transplantes de rim, medula, fígado e coração. “Hoje somos um laboratório de referência no Estado de São Paulo”, diz Jorge Kalil, diretor. Mais recentemente, incorporou à sua linha de pesquisa investigações sobre doenças imunológicas cardíacas, como doença de Chagas e febre reumática, esta última responsável por cirurgias de troca de válvulas, muito comuns no país.

A febre reumática é uma doença auto-imune, decorrente de infecção por estreptococos na garganta, que tem reflexos no coração. Para combatê-la, o laboratório trabalha no desenvolvimento de uma vacina sintética contra a febre reumática, já que uma vacina produzida a partir da bactéria poderia desencadear a doença, adianta Kalil. Nos próximos meses, serão iniciados estudos para o desenvolvimento da imunologia da arteriosclerose. Em todas as linhas de pesquisa, o laboratório utiliza técnicas de biologia molecular e de proteonômica nos estudos de peptídeos e proteínas.

O laboratório integra, junto com institutos de clínica e alergia da Universidade Federal da Bahia (UFBA), o Instituto de Investigação em Imunologia, um dos Institutos do Milênio selecionados pelo Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT), que contará com recursos da ordem de R$ 4,5 milhões para o financiamento de pesquisas, nos próximos três anos. O objetivo, explica Kalil, é levar o conhecimento acumulado na bancada para a aplicação médica, abordando não apenas o tratamento de doenças infecciosas, mas também alergias que afetam um terço da população brasileira.

Uma das propostas do Instituto de Imunologia é desenvolver preparações alergênicas mais bem padronizadas, de forma a criar produtos com menor efeito colateral e maior eficiência. Kalil lembra que há resultados promissores em animais e humanos com o uso de peptídeos em imunologia específica, vacina de DNA, oligonucleotídeos CpG e vacinas com antígenos de microbactérias, o que leva a crer que será possível prevenir ou curar doenças atópicas no futuro, por meio da resposta imune.

“Vamos, mais uma vez, juntar nossa capacidade com a do Instituto Butantã, com o qual já desenvolvemos a vacina Anti CD3, com a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), que trabalha com a vacina de DNA, e com a Universidade de Brasília (UnB), no estudo de anticorpos monoclonais”, relata Kalil.

Biologia Vascular
O Laboratório de Biologia Vascular, dirigido por Protásio Lemos da Luz e Francisco Rafael Martins Laurindo, ocupa uma área de aproximadamente 170 m2, contígua ao Laboratório de Imunologia. “Protásio iniciou o trabalho de pesquisa na divisão de experimentação no Laboratório de Fisiologia, estudando isquemia do miocárdio em animais”, conta Laurindo, na época seu orientando.

Hoje, Protásio dirige o Grupo Clínico de Arteriosclerose e divide com Laurindo a coordenação das pesquisas em Biologia Vascular, que têm como principal foco a fisiologia molecular. Um dos projetos desenvolvidos pelo laboratório é um temático financiado pela FAPESP que tem como objetivo estudar a enzima NADPH oxidado, responsável pelo estresse vascular. O projeto tem a parceria de Hugo Monteiro, do Hemocentro.

A expansão da área do laboratório também permitirá a ampliação das linhas de pesquisa. Uma das propostas é avançar na análise do papel da enzima superóxido – dismutase na lesão vascular. Trata-se de uma enzima protetora que fica deficiente após a lesão vascular, mas que se recompõe quando há reposta no organismo animal. “Já estamos avaliando o polimorfismo no gene da NADPH em seres humanos, para verificar se existem ou não alterações semelhantes e se ela está ou não relacionada com maior incidência de infarto”, explica Laurindo.

Na sua avaliação, a expansão da área e das linhas de pesquisa do laboratório é resultado da boa interação entre o Incor e as agências de fomento, sobretudo a FAPESP. “Não teríamos condições de fazer essas mudanças sozinhos”, comenta. “A maior parte dos equipamentos do laboratório foi adquirida com recursos da FAPESP e da Finep, e todo o mobiliário foi comprado com recursos da Reserva Técnica da Fundação”, exemplifica.

Bioengenharia
O Incor está reavaliando outras áreas tradicionais de pesquisas, como a de bioengenharia, afirma Ramires. O laboratório será transferido para as novas instalações equipadas para desenvolver estudos com cerâmica, eletrônica, cultura de tecidos, biologia molecular.

O retorno dos investimentos está no aprimoramento da forma de tratar a doença e no benefício que isso traz aos pacientes. “A melhoria no conhecimento da doença e nos processos de tratamento também colabora para que outros centros adotem o mesmo procedimento. Essa é a importância de um hospital-escola.”

Republicar