PESQUISA INOVATIVA EM PEQUENAS EMPRESAS (PIPE)

Print Friendly

Mais tempo livre

Máquina de passar roupa pretende aposentar o ferro

ED. 131 | JANEIRO 2007

 

Evolução: máquina que alisa até 12 roupas será lançada no mercado

A falta de tempo para os trabalhos domésticos foi o que motivou a arquiteta Célia Jaber de Oliveira a construir, com ajuda de seu irmão Lupércio Jaber de Oliveira, técnico em mecânica, uma máquina que passa roupas. A invenção caseira, feita para uso particular, foi tão bem-sucedida que ela procurou o apoio do Centro Incubador de Empresas Tecnológicas (Cietec) e da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-USP) para transformar a “engenhoca” na Agillisa, um eletrodoméstico que alisa até 12 peças de roupa em cerca de uma hora. Em 2001 o projeto passou a fazer parte do Cietec e se transformou na empresa Coll Projetos. Cinco anos depois a empresa foi instalada em Guarulhos, na Grande São Paulo, e agora se prepara para iniciar a comercialização do produto.

Antes de iniciar os estudos para a elaboração do eletrodoméstico, a arquiteta encomendou, em 1997, uma pesquisa para saber se havia demanda para o produto. A partir de entrevistas e da aplicação de questionários a 200 pessoas, comprovou-se que 97% dos entrevistados não gostavam de passar roupa e que a máquina tinha uma aceitação de 84%. Em 1999 Célia conseguiu a carta patente da invenção.

Para alisar a roupa, o eletrodoméstico libera vapor que solta as fibras e torna as peças levemente úmidas e macias. Com um posterior ciclo de ar quente essa umidade é eliminada. “Funcionava muito bem. Todos os que viam a máquina em casa queriam uma também. Foi a partir daí que começamos a pensar em transformar o aparelho em produto para o mercado”, explica Célia. “Mas a máquina ainda trabalhava de maneira muito empírica, embora os resultados fossem satisfatórios”. Como a invenção é pioneira, não existia muita literatura sobre o assunto.

“A principal contribuição acadêmica foi a de estabelecer uma base científica para o entendimento de todo o processo, melhorando a confiabilidade e a eficiência do produto”, explicou o engenheiro mecânico Nicola Getschko, professor da Poli-USP e coordenador do projeto financiado pela FAPESP no âmbito do Programa Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas (Pipe). “O protótipo alisava as roupas, mas não tinha um design bonito e precisava de um controle automático. Era preciso olhar quando o trabalho estava pronto”, acrescenta Célia.

Com o aperfeiçoamento, a máquina adquiriu um sistema automático. Enquanto o eletrodoméstico alisa as roupas, sobra tempo para outras atividades sem se preocupar com a possibilidade de o tecido ficar queimado ou manchado. Para as partes mais complicadas, como colarinhos e barras de calça, a máquina vem com dispositivos para serem aplicados nessas regiões e facilitar o alisamento. A economia de energia elétrica é cerca de 50% em comparação com o ferro para alisar a mesma quantidade de roupas. Célia explica que a equipe também levou muito tempo tentando tornar o produto mais barato através da substituição de materiais. Mesmo assim, o preço de lançamento da Agillisa é de R$ 3.500,00.

Após os melhoramentos técnicos, em março de 2006, a empresa fez uma nova pesquisa de mercado, de caráter qualitativo, e comprovou que 89% da amostra de 100 potenciais consumidores que presenciaram o funcionamento da máquina (80 mulheres e 20 homens) gostaria de comprar o eletrodoméstico. “O natural é que, com o tempo, o produto se torne mais barato e atinja uma faixa maior do mercado”, prevê Célia.

O Projeto
Alisadora automática de roupas (nº 04/10378-1); Modalidade Programa Inovação Tecnológica em Pequenas Empresas (Pipe); Coordenador Nicola Getschko – USP/Coll; Investimento R$ 211.144,00 (FAPESP)


Matérias relacionadas

NORMAN BORLAUG 2017
Coordenador do Programa de Bioenergia da FAPESP recebe prêmio
VALDIR GUIMARÃES
Colisão de estrelas de nêutrons libera elementos químicos
KELLY KOTLINSKI VERDADE
Programa incentiva participação de mulheres na área de exatas