PESQUISA INOVATIVA EM PEQUENAS EMPRESAS (PIPE)

Print Friendly

Mercado global é a meta

BrPhotonics investe em P&D para criar dispositivos ópticos avançados e exportar

YURI VASCONCELOS | ED. 238 | DEZEMBRO 2015

 

Júlio César, primeiro à esquerda, presidente da nova empresa, junto a integrantes da equipe de Pesquisa e Desenvolvimento

Júlio César, primeiro à esquerda, presidente da nova empresa, junto a integrantes da equipe de Pesquisa e Desenvolvimento

Com pouco mais de um ano de existência, a BrPhotonics, focada na pesquisa e no desenvolvimento de sistemas de comunicações ópticas de alta velocidade, comemorou há pouco tempo o fechamento do primeiro negócio com um cliente internacional. A empresa vendeu um modulador óptico, equipamento essencial em redes de transmissão de dados, para o Instituto Nacional Tyndall, da Irlanda, um dos principais centros europeus de pesquisa em Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs). Do ponto de vista financeiro, a venda de uma única unidade não é expressiva, mas está carregada de simbolismo. A BrPhotonics nasceu com o objetivo de tornar-se uma grande competidora internacional na área de comunicações ópticas e essa primeira transação no exterior, em certa medida, abre as portas do mercado global.

Localizada em Campinas, no interior paulista, a empresa é uma joint venture entre a Fundação Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD) e o grupo norte-americano GigOptix, com sede em San Jose, na Califórnia. Antigo centro de pesquisa da Telebras e desde 1998 uma entidade de direito privado instalada em Campinas, o CPqD detém 51% do negócio; a parceira GigOptix, uma das maiores fornecedoras mundiais de componentes semicondutores de alta velocidade, é dona dos 49% restantes.

Empresa
BrPhotonics
Centro de P&D
Campinas, SP
Nº de funcionários
28
Principais produtos
Dispositivos que compõem transmissores e receptores ópticos que integram as redes de transmissão de alta velocidade

“A BrPhotonics foi criada em 2014 para ser líder no mercado global de dispositivos fotônicos e microeletrônicos para sistemas de comunicações ópticas de alta velocidade, acima de 100 gigabits por segundo [Gbps]”, afirma Júlio César Rodrigues Fernandes de Oliveira, ex-gerente de Tecnologias Ópticas do CPqD e atual presidente da BrPhotonics. “Nossa empresa tem como objetivo verticalizar a produção com a convergência entre os campos da fotônica e da micro-eletrônica, com foco nas aplicações em comunicações ópticas.” Segundo ele, os investimentos diretos e indiretos (como patentes e equipamentos) para viabilização do negócio somaram mais de US$ 30 milhões e o faturamento deste ano, quando a empresa ainda se encontra em fase de startup, será de US$ 1,5 milhão.

O setor da economia em que a BrPhotonics atua não para de crescer. O avanço da internet, em conjunto com a computação em nuvem e a proliferação de soluções smart em celulares, tablets e televisões, tem como consequência direta o aumento do tráfego de informações (voz, dados, filme e música), o que exige um esforço incessante de expansão das vias de transmissão. A maior parte desses dados trafega em redes de fibra óptica, dispositivos com diâmetro similar ao do fio de cabelo e que levam as informações por meio da luz de lasers. Além dos cabos, a infraestrutura das redes também é composta por amplificadores, receptores (fotodetectores) e transmissores (lasers e moduladores ópticos), responsáveis por transformar o sinal da internet de elétrico para óptico, convertendo as informações em sinais de luz.

Alinhamento de fibra óptica...

Alinhamento de fibra óptica…

A BrPhotonics é especializada no fornecimento de dispositivos que compõem os transmissores e receptores ópticos que integram as redes projetadas para operar a taxas de transmissão de 100 Gbps até 1 terabit por segundo (Tbps), que deverá ser atingido nos próximos anos. Hoje, o pico do tráfego de internet diário na Região Metropolitana de São Paulo é de 877 Gbps, de acordo com dados do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto br (NIC.br), coordenado pelo Comitê Gestor da Internet no Brasil. O cliente da empresa não é o usuário final da internet, mas sim as companhias e operadoras de telecomunicações que fornecem o serviço de banda larga. “Os diferenciais de nossa empresa são o domínio da tecnologia de lasers, moduladores e receptores, nas tecnologias de silício e polímeros, em conjunto com a capacidade de projetar chips microeletrônicos”, destaca Júlio César.

Para alcançar seus objetivos e se inserir com sucesso no mercado internacional, a BrPhotonics dedica especial atenção às atividades de pesquisa e desenvolvimento (P&D). Nessa fase inicial de operação, o gasto tem sido mais significativo e equivale a 60% do investimento total. O plano de negócios da companhia sinaliza que o investimento em P&D será contínuo ao longo dos anos, da ordem de 25% da receita bruta. “Essa área é essencial para nós. É o coração da empresa, que tem por meta disputar o mercado com produtos inovadores”, diz Júlio César. Para isso, a BrPhotonics também investe em mão de obra qualificada. Metade do quadro de pessoal, composto por 12 funcionários diretos e 16 pesquisadores indiretos, é de mestres ou doutores. Os empregados indiretos trabalham por meio de contratos de prestação de serviço no Brasil, nos Estados Unidos e na Itália.

... e detalhes do transmissor óptico de alta velocidade da empresa, chamado de Tosa

… e detalhes do transmissor óptico de alta velocidade da empresa, chamado de Tosa

A equipe, diversificada, é composta por pesquisadores experientes, como o físico Wilson de Carvalho Júnior, de 58 anos, diretor de Microfabricação que já trabalhou no Laboratório Nacional de Luz Síncrotron (LNLS) e na Fundação Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer (CTI), ambos em Campinas. Outros têm menos tempo de mercado, como os engenheiros elétricos Alexandre Passos Freitas, 28, e Felipe Lorenzo Della Lucia, 31, ambos formados na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), e o engenheiro mecânico Luis Henrique Hecker de Carvalho, 26, graduado na Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), na Paraíba. Todos eles têm pelo menos o título de mestrado, com exceção de Felipe, que, junto com Júlio César, tem o doutorado.

Transferência de tecnologias
Uma vantagem competitiva da BrPhotonics é o fato de a empresa já possuir domínio de tecnologias ópticas, apesar de ser uma empresa tão jovem. Isso porque o acordo firmado entre o CPqD e a GigOptix previu a transferência de conhecimento, propriedade intelectual e de tecnologias já desenvolvidas pelos dois parceiros para o novo negócio. A GigOptix deslocou para o Brasil sua linha de produção instalada na cidade de Bothell, no estado norte-americano de Washington, e compartilhou com a BrPhotonics sua tecnologia Thin Film Polymer on Silicon (TFPS) – ou filme fino de polímero sobre silício. Já o CPqD repassou a tecnologia de fotônica em silício (Silicon Photonics ou SiPh), além de sua experiência em encapsulamento óptico e recursos de projetos e testes nessa área. Também forneceu espaço para instalação da empresa em seu parque tecnológico, a Pólis de Tecnologia. Pelo acordo, a BrPhotonics recebeu 17 patentes da GigOptix e quatro do CPqD.

Laboratório de fabricação de chip fotônico: salas limpas para componentes sofisticados

Laboratório de fabricação de chip fotônico: salas limpas para componentes sofisticados

As instalações industriais da empresa foram oficialmente inauguradas em agosto deste ano. A fábrica abriga toda a cadeia de produção do chip fotônico, da concepção ao encapsulamento e teste. De acordo com Júlio César, apenas dois países do mundo, Alemanha e Suíça, fabricam chips fotônicos desse nível. “Acreditamos que, com a nossa fábrica, o Brasil tem uma oportunidade para substituir importações e gerar emprego e renda em nosso território”, diz ele. Para produção de componentes tão sofisticados, as instalações possuem laboratórios com áreas limpas classe 100 – nas quais podem haver apenas 100 partículas maiores que 0,5 mícron (1 mícron é igual a 1 milionésimo de metro) por pé cúbico de ar – e classe 10 mil. Enquanto a área limpa classe 10 mil abriga a infraestrutura de empacotamento dos chips, a área classe 100, montada com os equipamentos transferidos pela GigOptix dos Estados Unidos, reúne as etapas de fabricação dos chips fotônicos.

Por enquanto o principal produto da BrPhotonics é a plataforma integrada Tosa (sigla em inglês de Transmitter Optical Sub-Assembly). Trata-se de um transmissor óptico de alta velocidade (100 Gbps), miniaturizado, que integra laser e modulador óptico. Segundo o presidente da BrPhotonics, o Tosa foi projetado para atender à demanda de fabricantes de transceptores (transmissores e receptores) destinados a aplicações de longo alcance e altas taxas de transmissão. “Seu preço é competitivo frente ao de competidores internacionais, que costumam cobrar por volta de US$ 3,5 mil por unidade em lotes com grandes volumes, a partir de 2 mil peças”, diz Júlio César.

Além do Tosa, outros dois itens já foram desenvolvidos pela empresa: um modulador óptico e um equipamento de testes, batizado de Lab in a Box. O modulador é o componente do transmissor responsável por converter o sinal elétrico de dados no feixe luminoso que irá trafegar pelos cabos de fibra óptica. O dispositivo foi construído em um substrato polimérico e com a tecnologia de fotônica de silício (SiPh). O outro produto, o Lab in a Box, é um aparelho de medição para habilitar a transmissão e recepção óptica, assim como o seu processamento digital de sinais, em ambientes laboratoriais. “Esse equipamento é inédito no Brasil e tem poucos concorrentes globais, entre eles as norte-americanas Tektronics e Coherent Solutions”, diz Luis Carvalho.

072-075_T_BR Photonics_238-02A empresa tem também um projeto no Programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (Pipe) da FAPESP aprovado no segundo semestre de 2015 e coordenado por Wilson Carvalho, cujo objetivo é desenvolver no país um tipo de laser usado em transmissores ópticos. “Hoje nós compramos esse laser de fornecedores externos e o integramos ao Tosa. Com auxílio da FAPESP, queremos desenvolver nosso próprio laser”, destaca o pesquisador. “Dessa forma, teremos maior domínio tecnológico sobre o dispositivo e tornaremos o Tosa mais competitivo no mercado global.”

Projeto
Laser de cavidade externa em fotônica em silício com faixa de sintonia ultralarga para aplicações em sistemas DWDM (nº 2014/21731-6); Modalidade Programa Pesquisa Inovativa em Pequenas Empresas (Pipe); Pesquisador responsável Wilson de Carvalho Júnior (BrPhotonics); Investimento R$ 144.037,27 e US$ 282.901,75.


Matérias relacionadas

OFTALMOLOGIA
Cola ativada por calor pode auxiliar no tratamento de lesões nos olhos
TIAGO LUBIANA
BioTrojan foi um dos projetos brasileiros premiados na competição iGEM
PESQUISA BRASIL
Brasileiros na bioengenharia, empreendedores de políticas públicas,...