TECNOCIÊNCIA

Print Friendly

Dois anos em funcionamento

ED. 245 | JULHO 2016

 

Nanossatélite do Inpe: mais do que o esperado no espaço

Nanossatélite do Inpe: mais do que o esperado no espaço

O primeiro nanossatélite nacional, o NanosatC-Br1, completou dois anos de funcionamento no espaço no dia 19 de junho. Com menos de 1 quilograma de peso, o nanossatélite foi projetado e construído por pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) em colaboração com a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), no Rio Grande do Sul. O BR1, como é chamado, continua transmitindo informações sobre a variação do campo magnético da Terra, coletadas por um dos equipamentos a bordo, um magnetômetro, para as estações de recepção do Inpe e para radioamadores do Brasil e de outros países (ver Pesquisa FAPESP nº 219). Segundo o engenheiro Otávio Durão, pesquisador da equipe de nanossatélites do Inpe, dois anos de funcionamento contínuo é mais do que o esperado: “Nossa previsão era de que o nanossatélite poderia funcionar por um mínimo de três meses e no máximo um ano”. A sobrevida é incerta. “Depende da capacidade de os componentes resistirem às partículas de alta energia do espaço.” A equipe do Inpe, coordenada pelo físico Nelson Jorge Schuch, trabalha agora no NanosatC-Br2, com mais equipamentos, alguns deles construídos no Inpe em parceria com empresas de ex-alunos, e lançamento previsto para o primeiro semestre de 2017.


Matérias relacionadas

TIAGO LUBIANA
BioTrojan foi um dos projetos brasileiros premiados na competição iGEM
PESQUISA BRASIL
Brasileiros na bioengenharia, empreendedores de políticas públicas,...
COMPUTAÇÃO
Robótica prevê máquinas que executam tarefas em grupo