TECNOCIÊNCIA

Print Friendly

Vacinas conservadas à temperatura ambiente

ED. 250 | DEZEMBRO 2016

 

Adititivos baratos, como o açúcar, podem aumentar a durabilidade de imunizantes

Adititivos baratos, como o açúcar, podem aumentar a durabilidade de imunizantes

Uma equipe de pesquisadores da Europa e dos Estados Unidos identificou três compostos químicos baratos e fáceis de obter que poderiam ser adicionados a vacinas para aumentar a estabilidade de seus componentes e, consequentemente, seu  tempo de conservação, mesmo se estocadas à temperatura ambiente relativamente alta. Esses aditivos podem ser úteis para aumentar a durabilidade das vacinas, em especial das que contêm vírus atenuados, inativos ou geneticamente alterados. Boa parte dos imunizantes disponíveis usa vírus e precisa ser mantida a temperaturas baixas, o que dificulta a distribuição para lugares distantes ou com infraestrutura precária. Nos testes, os cientistas acrescentaram nanopartículas de ouro, o polímero polietilenoglicol ou açúcar comum a uma formulação contendo o adenovírus tipo 5, associado a infecções respiratórias e usado para apresentar distintos antígenos em algumas vacinas. Em diferentes concentrações, os compostos mantiveram a estabilidade do vírus por dias ou semanas a 25 e a 37 graus Celsius. Os aditivos também preservaram por até 10 dias a estabilidade de uma formulação contendo adenovírus candidata a vacina contra a febre chikungunya (Nature Communications, 30 de novembro).


Matérias relacionadas

RENAN PADOVANI
Startup usa visão computacional para inspecionar peças de automóveis
EPIDEMIOLOGIA
Não deu zika nas Olimpíadas do Rio
PESQUISA BRASIL
Cérebro de dinossauro, relógio biológico e Indústria 4.0