NOTÍCIAS

Print Friendly

Humberto Torloni morre aos 93 anos

Patologista integrou a equipe inicial do A.C.Camargo Cancer Center e organizou os programas de pesquisa do Instituto Ludwig

Edição Online 13:20 9 de maio de 2017

 

Humberto Torloni fotografado em sua casa, em 2014

Humberto Torloni fotografado em sua casa, em 2014

Um dos integrantes da equipe inicial do antigo Hospital do Câncer, que começou a funcionar em 1953 em São Paulo, o patologista Humberto Torloni morreu no dia 5 de maio em São Paulo de câncer no pâncreas, aos 93 anos.

Nascido em Itapuí, interior paulista, quinto dos 10 filhos de um casal de imigrantes italianos, ele era ainda estudante na Escola Paulista de Medicina (hoje ligada à Universidade Federal de São Paulo) quando ajudou a levantar dinheiro para a criação do hoje chamado A.C.Camargo Cancer Center, concebido e dirigido pelo cirurgião Antonio Prudente.

Torloni dirigiu a equipe de patologistas do hospital, desenvolveu técnicas de trabalho e ajudou a formar jovens pesquisadores, hoje em posições de liderança nas faculdades de medicina e centros de pesquisa de São Paulo e de outros estados.

Em 1962 mudou-se para Genebra com a família e, na Organização Mundial da Saúde (OMS), coordenou uma equipe de patologistas que estabeleceu os critérios para a terminologia de tumores, fundamental para a definição de tratamentos e comparação de casos.

Torloni trabalhou depois na Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), em Washington, e no Ministério da Saúde brasileiro, onde conheceu o milionário norte-americano Daniel Ludwig, que queria patrocinar um centro de pesquisa sobre câncer no Brasil. O patologista ajudou Ludwig a selecionar o hospital que poderia sediar o centro de pesquisas e o primeiro diretor, Ricardo Brentani, que anos depois foi diretor-presidente do Conselho Técnico-Administrativo da FAPESP (2004-2011).

A convite de Brentani, em 1984 Torloni voltou ao hospital, como coordenador de programas de pesquisa do Instituto Ludwig de Pesquisas sobre o Câncer. Posteriormente, o patologista dirigiu o Serviço de Arquivamento Médico e Estatístico do A.C.Camargo Cancer Center até janeiro de 2017.  Viúvo, deixa três filhos, cinco netos e um bisneto.

 

 


Matérias relacionadas

HUMBERTO TORLONI
Patologista trabalha para recuperar a memória da oncologia
AMBIENTE
Poluente emitido pela queima de biomassa causa dano ao DNA
VALTENCIR ZUCOLOTTO
Biossensores são utilizados no diagnóstico e na prevenção de doenças