CARTAS

Print Friendly

Cartas | 257

ED. 257 | JULHO 2017

 

Ciência sem Fronteiras
Pena que para várias pessoas o programa Ciência sem Fronteiras foi quase turismo no exterior (“Experiência encerrada”, edição 256). E quem fez disciplinas no exterior muitas vezes não conseguia aproveitá-las aqui.

Renan Birck Pinheiro

***

Um programa desastroso. Mal planejado, com enorme desperdício de recursos que poderiam ter sido mais bem investidos trazendo retorno ao país.

Carlos Riede

***

O que tem de ser questionado é: quais tecnologias e avanços científicos esse programa trouxe para o nosso país?

Thiago Figueredo

***

Mais de R$ 13 bilhões gastos… O valor é um tanto exagerado para um país que possui universidades sucateadas e laboratórios e obras inacabadas. Querem internacionalizar a ciência brasileira, mas mal nos dão condições para ensinar ou desenvolver pesquisas por aqui. Ainda bem que acabou. E acabou tarde.

Giovani Guarienti Pozzebon

***

Readaptá-lo. Torná-lo mais enxuto. A iniciativa é excelente. É pensar à frente e não no passado.

Aloir Antonio Merlo

***

A reportagem é tendenciosa. Só o fato de chamar “investimento em educação” de “gasto” me parece enviesado.

Luciano Skiter Delmondes

***

Árvores
Até que enfim uma maneira inteligente de gerenciar as árvores da cidade (“Controle da paisagem”, edição 256).

Alexandre Tokitaka

***

Inventário de espécies
Na Cidade Universitária, na capital paulista, já avistei araras, araçaris, araponga (raríssimo ver uma), pica-paus amarelos, sabiás (têm muitos), gralhas, papagaios, periquitos, colibris e beija-flores de várias espécies (sobre “Na selva de pedra”, edição 255). É uma pena que as pessoas passem por ali sempre correndo.

Joviniano Netto

***

Vídeos
Maravilhoso o vídeo “Famelab”. Deveriam existir mais iniciativas e incentivos para divulgação da ciência no Brasil.

Alessandra Alves de Souza Della Coletta

***

Mais uma função importante da endocrinologia (vídeo “Menino ou menina”), com uma excelente elucidação sobre os distúrbios do desenvolvimento sexual fornecida pela professora Berenice Bilharinho de Mendonça.

Olivia Bomfim

***

Sinto falta de mais vídeos no canal de Pesquisa FAPESP.

Mateus Menezes

***

Sua opinião é bem-vinda. As mensagens poderão ser resumidas por motivo de espaço e clareza. cartas@fapesp.br


Matérias relacionadas

NORMAN BORLAUG 2017
Coordenador do Programa de Bioenergia da FAPESP recebe prêmio
VALDIR GUIMARÃES
Colisão de estrelas de nêutrons libera elementos químicos
KELLY KOTLINSKI VERDADE
Programa incentiva participação de mulheres na área de exatas