NOTAS

Print Friendly

Pesticida pode afetar abelhas

ED. 257 | JULHO 2017

 

Abelha em flor no Canadá, um dos países em que os neonicotinoides, inseticidas que revestem sementes de uso comercial (abaixo), afetaram a população desse inseto

Dois estudos de campo encontraram evidências de que uma classe de inseticida derivado da nicotina, os neonicotinoides, muito usada para controlar pragas na lavoura, pode produzir efeitos negativos em algumas populações de abelhas selvagens e domesticadas (Science, 30 de junho). Um dos trabalhos se estendeu por dois anos em 33 lugares de três países da Europa. Na Hungria,  o estudo constatou uma redução média de 24% no número de abelhas-operárias em colônias situadas nos arredores de campos de canola tratados com clotianidina, um pesticida dessa classe. No entorno de lavouras tratadas com outro neonicotinoide, o tiametoxam, não foram verificados danos às abelhas. No Reino Unido, os resultados foram semelhantes, embora estatisticamente os dados tenham sido pouco significativos. Na Alemanha, no entanto, o trabalho não encontrou danos às abelhas que pudessem ser associados ao uso do inseticida. Para o ecólogo Richard Pywell, do Centro de Ecologia e Hidrologia, de Wallingford (Inglaterra), que coordenou o estudo, as abelhas alemãs não sentiram os efeitos do composto químico possivelmente porque suas colônias se encontravam mais saudáveis do que a dos outros dois países. Ele também não descarta a possibilidade de que as flores silvestres que crescem perto dos campos cultivados na Alemanha possam ter fornecido recursos extras para as abelhas, tornando-as mais fortes. Outro estudo, feito de forma independente no Canadá, constatou que colônias de abelhas melíferas expostas por até quatro meses a neonicotinoides em lavouras de milho tinham menos operárias e podiam ficar até sem rainhas. As empresas fabricantes dos inseticidas consideram que os estudos não representam a realidade do que ocorre no campo em razão do uso desses inseticidas. Desde 2013, a União Europeia decretou uma moratória no uso de três neonicotinoides em áreas de plantio de canola e de outras culturas que produzem flores, um atrativo para as abelhas. Esses inseticidas não são aspergidos no ar. Eles revestem as sementes vendidas pelas empresas, na forma de uma fina camada colorida.


Matérias relacionadas

AMBIENTE
Mata Atlântica volta a crescer no Vale do Paraíba
GILSON MOREIRA
Larvas induzem planta do Pampa gaúcho a produzir galhas
MARIA DE FÁTIMA ANDRADE
Poluição do ar na cidade de São Paulo diminuiu nos últimos 30 anos