NOTAS

Print Friendly

A importância de cada fator de risco no derrame

ED. 259 | SETEMBRO 2017

 

O peso somado dos cinco principais fatores de risco para a ocorrência de derrame – hipertensão, diabetes, tabagismo, obesidade e colesterol elevado – na população dos Estados Unidos diminuiu significativamente entre 1990 e 2010. A proporção de casos da doença associados a eles caiu de 73% para 41% (The New England Journal of Medicine, 25 de maio). A queda, no entanto, foi muito mais expressiva nos indivíduos brancos do que nos negros (ver gráfico). Entre a parcela caucasiana da amostra de 15.350 adultos que foram acompanhados por duas décadas, a hipertensão e o fumo tiveram uma redução acentuada como fator de risco para derrame. Na população afrodescendente, a queda desses dois fatores foi menos expressiva. Estar acima do peso, que nos anos 1990 tinha uma influência insignificante no desencadeamento de derrames, hoje está mais associado à ocorrência do problema, sobretudo entre os negros. “Contudo, por predispor ao desenvolvimento de hipertensão e diabetes, a obesidade representa um importante fator de risco a ser prevenido e tratado em toda a população”, alerta o cardiologista Wilson Nadruz, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), principal autor do estudo, feito em parceria com colegas dos Estados Unidos.


Matérias relacionadas

MEIO AMBIENTE
Restrições no trânsito de caminhões melhoram qualidade do ar em São Paulo
PESQUISA BRASIL
Células-tronco, Indústria 4.0, Nobel da Paz e química verde
PESQUISA EMPRESARIAL
Biolab investe em medicamentos