NOTAS

Print Friendly

Trigonometria em tablete de 3.700 anos da Babilônia

ED. 259 | SETEMBRO 2017

 

Tablete Plimpton 322 traz escrita cuneiforme com quatro colunas e 15 linhas com números

Um tablete de argila de 3.700 anos da Babilônia pode ser o registro mais antigo conhecido de conceitos de trigonometria, o ramo da matemática que estuda as relações entre os comprimentos dos lados e os ângulos de triângulos. Segundo essa interpretação, a trigonometria teria surgido na região da Mesopotâmia cerca mil anos antes que na Grécia Antiga. Essa hipótese foi defendida pelos matemáticos Daniel Mansfield e Norman Wildberger, da Universidade de Nova Gales do Sul, na Austrália, que reanalisaram a escrita cuneiforme do tablete Plimpton 322, hoje parte do acervo da Universidade Columbia, em Nova York (Historia Mathematica, 24 de agosto). Desde os anos 1940, alguns historiadores sugerem que a peça contém uma série de números que se assemelham ao teorema de Pitágoras, segundo o qual o quadrado da hipotenusa, o lado mais longo de um triângulo retângulo, é igual à soma dos quadrados dos outros dois lados. Agora a dupla australiana foi além em sua interpretação da peça, composta de quatro colunas e 15 linhas com números. Eles dizem que o tablete expressa as noções de trigonometria por meio da matemática sexagesimal (baseada no número 60) inventada pelos sumérios e depois assumida pelos babilônios. “Essa é uma maneira totalmente diferente de olhar para a trigonometria”, disse Mansfield à revista Science. “Temos de sair mesmo da nossa cultura para ver as coisas na perspectiva deles se quisermos entender o tablete.” A releitura do conteúdo da peça de argila foi alvo de distintas reações. Alguns matemáticos elogiaram o estudo, outros o classificaram como especulativo.


Matérias relacionadas

ARQUEOLOGIA
Corpos mumificados exibem as tatuagens mais antigas de que se tem notícia
PERFIL: MARCELO VIANA
Diretor do Impa fala da entrada do Brasil na elite internacional de matemática
ADRIANA SCHMIDT DIAS
Professora da UFRGS fala sobre populações humanas no Brasil há 10 mil anos