Imprimir PDF

Boas práticas

Uma segunda chance

Biólogo demitido da Universidade de Tóquio por manipular imagens recebe treinamento oferecido por britânico vencedor do Nobel

Henrique Campeã

O biólogo celular Yoshinori Watanabe, especialista em dinâmica dos cromossomos reconhecido internacionalmente, foi demitido da Universidade de Tóquio em abril, após uma investigação concluir que ele modificou imagens e mesclou dados de forma indevida em cinco artigos publicados entre 2008 e 2013. Mas Watanabe – que ingressou na universidade em 1984 na graduação e lá fez toda a carreira – ganhou uma oportunidade incomum de recomeçar. Trocou Tóquio por Londres e, desde o dia 16 de abril, pode ser encontrado nas instalações de design futurista do Instituto Francis Crick, centro de pesquisa biomédica dirigido pelo bioquímico britânico Paul Nurse, ganhador do Nobel de Medicina ou Fisiologia de 2001.

Nurse, que foi supervisor de Watanabe em um pós-doutorado nos anos 1990, considerou que o ex-pupilo merecia uma segunda chance e o convidou a receber treinamento com foco no uso de ferramentas automatizadas para coleta e análise de imagens – habilidades que, segundo o acusado, faltaram-lhe na elaboração dos artigos. “A comunidade científica e as instituições precisam refletir melhor sobre como lidar com casos de reabilitação desse tipo”, disse Nurse à revista Nature. Watanabe admite que cometeu erros nos artigos, mas nega ter agido de má-fé. “Depois de um período de reciclagem, espero encontrar um lugar para retomar minha carreira científica”, afirmou.

Elliott Brown / flickr Instalações do Instituto Francis Crick, onde o biólogo japonês recebe treinamento em coleta e processamento de imagensElliott Brown / flickr

O expediente de submeter acusados de má conduta a processos de reabilitação não é inédito. Entre 2013 e 2017, 61 pesquisadores responsabilizados por plágio, falsificação ou fraude participaram de uma iniciativa patrocinada pelos Institutos Nacionais de Saúde (NIH) dos Estados Unidos que oferecia treinamento e acompanhamento (ver Pesquisa FAPESP nº 246). Na maioria dos casos, as irregularidades não tinham sido intencionais e envolviam condutas negligentes ou desconhecimento de regras. O caso de Watanabe é único por envolver um pesquisador familiarizado com boas práticas científicas – e por atrair a simpatia de um Nobel. É a primeira vez que o Instituto Francis Crick oferece suporte para reabilitar um pesquisador. Não há planos de repetir a experiência.

A punição ao biólogo foi o ápice de uma crise que agita há dois anos a Universidade de Tóquio, uma das mais importantes do Japão, com 28 mil alunos espalhados por cinco campi. Em 2016, foi divulgado um dossiê anônimo que apontava irregularidades em seis laboratórios da instituição. Investigações foram abertas e confirmaram as acusações contra apenas um dos grupos, o de Watanabe. Cinco de seus sete papers apontados como suspeitos continham imagens manipuladas, dois deles publicados na revista Science, outros dois na Nature e um no periódico Embo Reports. Yuji Tanno, um dos assistentes de Watanabe, foi responsabilizado pela manipulação de um dos artigos, mas o relatório da investigação observou que ele recebeu aconselhamento inadequado do mentor.

Seimi Tsutsui Demitido, Watanabe recebeu do seu ex-supervisor Nurse a oportunidade de se reciclar em LondresSeimi Tsutsui

Financiamento suspenso
Desde que as denúncias se tornaram públicas, a equipe de Watanabe na Universidade de Tóquio se desmanchou. Os 15 pesquisadores que trabalhavam com ele se transferiram para outros laboratórios e seu
principal projeto de pesquisa teve o financiamento de US$ 3,7 milhões suspenso. Um editorial publicado no jornal anglófono Japan Times citou o escândalo como reflexo da queda dos indicadores de desempenho  científico do país e de cortes orçamentários que aguçaram a disputa por financiamento entre grupos de pesquisa: “Por trás da má conduta pode estar o desejo do pesquisador e de seu laboratório de obter fundos de pesquisa até mesmo inventando resultados”.

As pesquisas de Watanabe detalham interações entre proteínas que orientam a separação de cromossomos. Nos papers em questão, as imagens que mostrariam proteínas envolvidas em um experimento foram alteradas de modo a torná-las mais convincentes. Dados de origens diferentes também foram combinados de modo impróprio em um gráfico. A investigação da Universidade de Tóquio mostrou que Watanabe agiu de forma deliberada e até ensinava os alunos a manipular as imagens. Um dos artigos da Science, publicado em 2015, já sofreu retratação. Outro, o da Embo Reports, ganhou uma errata. O pesquisador admitiu os problemas, mas alegou que as manipulações não buscavam enganar ninguém nem comprometiam as conclusões dos artigos. “Assumo a responsabilidade pelos erros de processamento de dados que ocorreram em artigos do meu grupo. Admito que as etapas de processamento foram impróprias para os padrões internacionais, independentemente de seus efeitos nos resultados finais”, escreveu Watanabe em um pedido público de desculpas.

Steven Haywood Paul Nurse, ganhador do Nobel de Medicina ou Fisiologia de 2001Steven Haywood

A contribuição científica do pesquisador japonês ajuda a explicar a solidariedade que recebeu. Iain Cheeseman, do Instituto Whitehead de Pesquisa Biomédica, em Cambridge, Estados Unidos, saiu em defesa de Watanabe em uma entrevista à revista Nature no ano passado, quando o escândalo veio à tona. “Watanabe é um gigante da ciência e fez um trabalho realmente inovador para a compreensão dos processos de meiose e mitose. Seus achados foram validados e seguem sendo centrais para a nossa compreensão da divisão celular”, disse Cheeseman, que destacou descobertas como a de uma proteína que tem um papel na segregação de cromossomos. Cheeseman usou sua conta no Twitter para explicar melhor sua posição e fez críticas ao colega: “É fundamental agir de forma transparente na hora de preparar imagens. Watanabe manipulou seus dados de forma desleixada e inadequada”. Observou, contudo, que há confusão em relação a técnicas consideradas aceitáveis de tratamento de imagens e que as conclusões dos estudos de Watanabe não foram maculadas pela manipulação.